Notícias

DREs Guaianases e São Mateus promovem Seminário Regional de Educação em Direitos Humanos

Atividade envolveu educadores que integram as Comissões de Mediação de Conflitos

Publicado em: 23/08/2018 9h50 | Atualizado em: 30/11/2020

seminario_edh_dreg_740x430.jpg

Aconteceu no dia 16 de agosto, no teatro Cássia Eller, do Centro Educacional Unificado (CEU) Inácio Monteiro, o Seminário Regional de Educação em Direitos Humanos: “Projeto Respeitar é Preciso!”. Conforme publicado no Diário Oficial da Cidade, juntamente com a Diretoria Regional de Educação (DRE) São Mateus, a DRE Guaianases promoveu este encontro que tem o objetivo de compartilhar práticas pedagógicas e realizar oficinas com foco na Educação em Direitos Humanos.

Após o credenciamento, todos os presentes se dirigiram ao teatro e foram recebidos com uma apresentação cultural da Academia Estudantil de Letras (AEL) Clarice Lispector, do CEU EMEF Inácio Monteiro, cujo tema foi “liberdade”. Os estudantes recitaram poemas de diversos autores, individualmente, em duplas e em grupos, com todas as luzes apagadas e apenas uma lanterna acesa próxima ao microfone.

Em seguida, a Diretora Regional de Educação de Guaianases, Lucimeire Cabral de Santana, fez a abertura oficial do evento. “É muito interessante provocar o diálogo entre as regiões, faço agradecimentos especiais às unidades de Guaianases e São Mateus que se dispuseram a participar. Além disso, também agradeço a presença de Tatiana Cristina Pereira e Rafael Sandalo Nery Palhares, representantes da Coordenadoria dos CEUs e da Educação Integral (COCEU) e de toda equipe da Divisão dos Centros Educacionais Unificados (DICEU)”, disse a Diretora.

Os primeiros relatos de experiências foram da DRE São Mateus, com a Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Orígenes Lessa, sobre o Projeto Conselho Mirim. O segundo foi do Centro Educacional Infantil (CEI) Celia Peres Sunhiga, sobre o Projeto Sujeitos de Direitos. Já os de Guaianases abordaram o processo de implementação das CMC e sua articulação com a comunidade escolar – participaram as EMEFs Alexandre de Gusmão e Idêmia de Godoy.

Daniele Kowalewski, do Instituto Vladimir Herzog, fez uma palestra com comentários sobre os relatos de prática. As considerações feitas pela assessora palestrante foram pautadas nos direitos inerentes aos estudantes e na importância da Educação em Direitos Humanos. “Há uma preocupação para que não se torne um jargão (Educação em Direitos Humanos). Esperamos que ele seja efetivamente vivenciado, com seus limites e circunstâncias específicas das escolas. Não basta dar voz, o direito de falar e ser ouvido é importante”, afirmou Daniele.

Após a fala de Daniele, os representantes das Unidades Educacionais responderam às considerações, encerrando a primeira parte do evento.

A segunda e última etapa foi a das oficinas, que se dividiram em espaços do CEU e tiveram como público-alvo todos os participantes, com os temas “Direito de brincar” (Leandro Medina e Andréa Soares), “Direito à cidade” (Leila Vendrametto), “Direito ao diálogo” (Maria Baldin) e “Direito à informação” (Priscila Kesselring).

Clique nos links abaixo para acessar:

Comunicado do Diário Oficial da Cidade.

Álbum de fotos do evento.

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Apresentação teatral na abertura do Recreio nas Férias.

“Recreio nas Férias” começa nesta segunda-feira com protocolo contra contaminação do Covid

Publicado em: 10/01/2022 2h47 - em Secretaria Municipal de Educação

foto de professora na sala de leitura, dois estudantes olham atentamento para ela. Todos usam máscaras

SME divulga classificação prévia dos interessados na contratação temporária

Publicado em: 07/01/2022 9h47 - em Diretoria Regional de Educação Butantã

Em cima, os dizeres: Gratificação de difícil Acesso. No meio: desenho de um mapa, com um localização ao centro, destacada por um pin

Gratificação de Difícil Acesso: saiba como identificar o distrito da sua escola

Publicado em: 06/01/2022 5h17 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia de uma sala de aula com um professor usando máscara de proteção individual e estudantes sentados em suas cadeiras.
Imagem mostra uma sala de escape room com o ambiente decorado em forma de castelo de bruxa. Na sala é possível ver uma janela com imagem de cemitério, uma bruxa voando em sua vassoura, caldeirão, estante de poções.

Professores e estudantes de escola municipal de São Paulo criam ‘escape room’ pedagógico

Publicado em: 03/01/2022 12h00 - em Secretaria Municipal de Educação

1 2 3 4 5 1.212