Notícias

25ª Bienal do Livro traz cultura árabe para o Brasil

Matéria realizada pela equipe do Jornal Passa a Visão / Imprensa Jovem EMEF Cláudio Manoel da Costa

Publicado em: 05/09/2018 16h59 | Atualizado em: 30/11/2020

cultura_arabe_bienal_740_x_430.jpg
Foto: Professora Maria Gilvania

Matéria realizada pela equipe do Jornal Passa a Visão/ Imprensa Jovem (EMEF Cláudio Manoel da Costa). Alunos: Angelo Perandré – 8°C/ Ana Luiza Silva – 7°D/Stefany Ambruster – 8°C/ Mikhael Silva 9ºB/ Karen 9ºB/ Júlia Delbue 9ºB

Nessa edição, a Bienal do livro trouxe um belo exemplo de cultura de outro país para ampliar nosso conhecimento. A capital cultural do Emirados Árabes, Sharjah, ganhou seu próprio estande, e trouxe 40 livros escritos por autores árabes. Sharjah foi nomeada pela Unesco como a capital mundial do livro.

O objetivo do estande era apresentar a cultura, costumes, tradições, livros e autores árabes para o público da Bienal. O estande Sharjah trouxe até mesmo artesãs que confeccionaram sua arte ao vivo.

Fizemos uma entrevista com duas artesãs árabes que estavam no estandes. Elas disseram que gostaram muito da Bienal e de sua diversidade de livros e que também gostaram muito do Brasil, da nossa cultura e da comida, além de afirmarem que o povo brasileiro foi muito receptivo com elas.

cultura_arabe_bienal_2_740_x_430.jpg
Foto: Angelo Perandre

O estande teve sucesso de público e no dia 11 de agosto esteve sempre lotado. Foram vários espectadores brasileiros de diversas partes do país. Para alguns, a visita serviu para matar a saudade da cultura árabe, como foi o caso de Jonas Brazili, um participante da Bienal que visitou o estande. Jonas estava muito alegre e nos contou que o principal motivo de sua empolgação estava ligado ao fato de ter morado por três anos nos Emirados Árabes.

cultura_arabe_bienal_3_740_x_430.jpg
Foto: Professor Felipe Gomes

Entrevistamos Jonas e ele nos contou algumas histórias sobre o tempo em que viveu nos Emirados Árabes.

“Eu sou de Fortaleza, acabei de chegar do aeroporto e vim diretamente para o evento por dois motivos principais: amor e respeito pela cultura árabe. Morei nos Emirados Árabes Unidos por três anos, tenho uma grande história de vida lá e vários amigos árabes. Eu sou genuinamente brasileiro, mas sou apaixonado pela cultura árabe. Então, eu não poderia perder esse evento de maneira alguma”, disse Jonas. Inclusive, ele está escrevendo um livro contando sobre a sua experiência e sobre sua visão da cultura árabe.

“Estou escrevendo um livro sobre a minha experiência pessoal e profissional em Dubai. Vou contar como eu vejo a cultura árabe, o que é que representa o sheik e como eu vejo o islamismo. Sou apaixonado por livros, então queria deixar minha experiência de vida registrada. Nos Emirados têm muitos autores, muitos poetas, eles amam bastante a literatura, então eu queria absorver um pouquinho mais desse sentimento pra pegar inspiração e voltar a escrever meu livro”, contou Brazili

Foi uma ótima experiência ter conhecido um pouco mais da cultura árabe e, também, poder conhecer pessoas apaixonadas por essa cultura tão diferente da nossa.


Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Crianças e professora de Educação Infantil em sala de aula.
Professora de Educação Infantil sentada no chão da sala com cinco bebês sentados a sua volta brincando.

SME faz nova convocação de aprovados em concurso

Publicado em: 22/09/2022 5h07 - em Secretaria Municipal de Educação

Imagem com o fundo em mosaico colorido em tons de lilás, azul e verde, onde se lê
Imagem com fundo azul, três faixas no canto esquerdo nas cores rosa, azul e verde, no centro está escrito IV EducaPenha.

DRE Penha realiza IV EducaPenha

Publicado em: 21/09/2022 6h59 - em Diretoria Regional de Educação Penha

Fotografia mostra pessoas sentadas em cadeiras de auditório. Elas estão olhando para frente, para o palco, onde há um homem de pé, segurando um microfone, que está falando enquanto olha para uma apresentação de slide, onde se lê: “Será que eu fiz certo?” na cor vermelha. Abaixo contém o texto: “Na dúvida, pergunte, consulte os colegas, os estudantes. Estude, retome a teoria. Refaça, volte ao começo. E faça outra vez. A prática é fundamental para o desenvolvimento, evolução”, que está escrito na cor preta.
1 2 3 4 1.284