Notícias

Seminário Leituraço reúne cerca de 900 educadores

Evento tratou das literaturas sub-representadas na literatura brasileira

Publicado em: 28/10/2015 12h23 | Atualizado em: 30/11/2020
leituraco_2015_740_x_430.jpg

A Diretoria de Orientação Técnica (DOT) da Secretaria Municipal de Educação (SME), por meio dos Núcleos de Educação Étnico Racial e Sala e Espaço de Leitura, promoveu no dia 27 de outubro, no auditório da Universidade Nove de Julho – Campus Vergueiro, o Seminário Leituraço 2015. A ação reuniu cerca de 900 Professores Orientadores de Sala de Leitura (POSL) e Bibliotecários dos Centros Educacionais Unificados (CEU), em duas turmas.

O evento teve como objetivo promover um espaço de diálogo sobre as produções literárias que contribuem para o fortalecimento das identidades de populações historicamente sub-representadas no cânone literário, como a negra, a indígena e a periférica.

A mesa de abertura do evento contou com a participação da Diretora de Orientação Técnica (DOT – SME) Joane Vilela, da Coordenadora do Núcleo das Salas e Espaços de Leitura, Sheila Coelho e Rafael Ferreira da Silva, do Núcleo de Educação Étnico-Racial da SME.

Joane Vilela ressaltou em sua fala que o Seminário do Leituraço foi pensado e organizado pela equipe com objetivo de divulgar o acervo de 2015 e que será composto por 44 títulos, sendo dois volumes dos 13 livros destinados à Educação Infantil e três volumes dos 31 livros para o Ensino Fundamental. Ela contou que esta ação faz parte de um projeto maior, o Leia São Paulo, que é composto por uma série de ações, estratégias e atividades para a Rede Municipal de Ensino (RME). “Uma delas é a consulta pública, por meio do site São Paulo Aberta. Cerca de 300 títulos estarão disponíveis para votação”, completou Joane.

Mesa de autores – Na segunda parte do Seminário a mesa foi composta pelo autor Sergio Vaz, poeta da periferia e fundador do Sarau da Cooperifa, no extremo da zona Sul da capital paulista e pela professora e escritora indígena Eliane Potiguara. Ambos falaram de suas experiências como autores que não estão no fluxo das grandes editoras.

“A literatura periférica é quando você corta o atravessador. E quando você fala para periferia que agora somos nós os protagonistas. Literatura periférica é quando o Leão não conta a história, a história é contada pela caça. E é por isso que ela é tão importante, ela não é arte pela arte, é a arte pela vida”, disse Sergio Vaz.

O Professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Sergio Eduardo de Assis Duarte, que também compôs a mesa. falou sobre seus estudos sobre Literatura Negra. a cultura da escrita por autores negros, suas linguagens e o ponto de vista culturalmente identificado à afroliteratura. A mediação da mesa foi feita por Cristiane Santana Silva, do Núcleo de Educação Étnico Racial da SME.

Apresentações Culturais – No palco, ocorreram apresentações culturais da sambista Nega Duda, referência do samba de roda baiano na capital paulista e de contação de histórias feita pela bailarina, professora e escritora Kiusan de Oliveira. A autora contou a história da garotinha Tayó, personagem do seu livro Mundo no Black Power de Tayó.

Confira a galeria de fotos do evento. 

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Mulher negra mexendo nos lápis e canetas com livros na mesa

Polos da UniCEU estão com inscrições abertas para curso de Pedagogia

Publicado em: 20/02/2024 1h30 - em Secretaria Municipal de Educação

Saúde Oftalmológica

Prefeitura de São Paulo retoma Programa de Avaliação Oftalmológica em estudantes da Rede Municipal

Publicado em: 19/02/2024 5h17 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia da fachada do Cei Bispo Roger Douglas Bird

Prefeitura inaugura creche Bispo Roger Bird na região de Cidade Ademar

Publicado em: 19/02/2024 2h34 - em Secretaria Municipal de Educação

Foto representada em forma de desenho de um grupo de pessoas de diferentes etnias.
Foto de uma criança com uniforme da rede publica de São Paulo em um brinquedo.
1 2 3 4 5 6 1.428