Notícias

Nós traçamos o nosso destino?

Equipe de Imprensa Jovem da EMEF Roberto Mange conta sobre o “Rolê Científico”

Publicado em: 01/11/2018 18h47 | Atualizado em: 30/11/2020

nos_tracamos_nosso_destino_740_x_430.jpg

Matéria produzida pela equipe de Imprensa Jovem da EMEF Roberto Mange

Nos dias 17 e 18 de outubro, nós, da Imprensa Jovem da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Roberto Mange, participamos do evento “Semana de Ciência, Tecnologia e Inovação“ na Universidade de São Paulo. Lá, conhecemos a história da Dra. Mônica Lopes Ferreira, mulher nordestina que se tornou bióloga com doutorado em imunologia e que trabalha como pesquisadora do Instituto Butantã na área de imunologia, além de ser coordenadora do CeTICS – Centro de Toxinas, Resposta-Imune e Sinalização Celular. Ela escolheu estudar, pesquisar e tornou-se uma renomada cientista, que sempre teve a paisagem do mar como berço, motivação e inspiração. Sua principal descoberta foi que o veneno de um peixe tinha propriedade de curar a asma.

Ela nos contou que para se transformar em cientista, ela pensou o que queria e correu atrás do seu objetivo. Estudou muito, fez escolhas, mudanças, inclusive de estado, cidade, saiu de sua terra natal em Maceió/AL para morar em São Paulo/SP. Essa mudança foi sua primeira dificuldade: sair de sua casa, ficar longe de seus pais e seus amigos e migrar para uma cidade distante e muito maior que a sua.

Mas o mar continuava dentro dela. Suas pesquisas estão ligadas aos peixes peçonhentos. A doutora Mônica já desenvolveu uma vacina que neutraliza os efeitos do veneno desses peixes. Normalmente, as pessoas desconhecem que os peixes podem possuir veneno. Em Maceió, encontrou um peixe que o veneno chegava a aleijar quem for atingido por ele. O peixe é conhecido como niquim. Quando foi pesquisar, os pescadores diziam que não valia a pena, que era muito perigoso. Ela teve dificuldade em convencê-los que, estudando o veneno, poderia encontrar a cura.

Dessa forma, descobriu que o veneno que mata pode curar.

Se ela foi discriminada alguma vez por ser mulher? Ela disse que não permitiu. “Sempre me posicionei como pessoa, como ser humano e uma cientista”, contou Mônica. Ela também disse que percebe que existe espaço para mulheres na Ciência, mas não quando se trata de cargos importantes, pois estes cargos normalmente ficam com homens brancos e mais velhos. Portanto, há ainda muito preconceito contra a mulher sim.

Porém, nós temos que ir a luta e jamais abaixar a cabeça. Aprendemos nesse “Rolê Científico” que tem um monte de coisas que não conhecemos. Moramos perto da USP (Universidade de São Paulo), mas a gente não a conhecia. “Eu pensava assim, que os cientistas eram homens. Quer dizer, só vi mulher. Então não é, né?”, disse nossa colega Geovana Santos, 8 anos.

O mais importante que aprendemos é que temos muito que aprender. Temos que ter um objetivo e correr atrás dele, sempre estudando muito, sempre atentos, sempre curiosos, pois o nosso destino somos nós que traçamos, em qualquer lugar, inclusive na Ciência. Nós escolhemos o nosso lugar no mundo.

Por Giovanna Santos, Matheus Pontes, Natále Andrade, Rafaela Macedo, Geovana Pucci, Ygor Mendonça, Yan Carlos, Miguel Silva, Lavínnya Santos, Pollyana Alves e Vilma Nardes

EMEF. Professor Roberto Mange – Butantã

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Imagem de um notebook sobre uma mesa com a mão de uma pessoa que veste camiseta preta. Ao seu lado aparece a mão de outra pessoa.

Seminários do ciclo de escuta ativa das DREs São Mateus e Santo Amaro ocorrem nesta segunda-feira

Publicado em: 17/09/2021 6h27 - em Secretaria Municipal de Educação

Banner 8ª edição do Premio Educação em Direitos Humanos 2021
Banner do Educador em Destaque
Imagem com mosaico de sete fotografias de pessoas em uma reunião on-line.

SME tem semana de reuniões bilaterais com as entidades sindicais

Publicado em: 16/09/2021 8h49 - em Secretaria Municipal de Educação

825x470
1 2 3 1.189