Notícias

Estudantes surdos da EMEBS Helen Keller simulam assembleia da ONU em Libras

Evento que ocorreu nesta quinta com a presença de secretários e autoridades internacionais encerra programa chamado MONUEM; objetivo é mostrar na prática a ação de um diplomata

Publicado em: 09/12/2021 13h10 | Atualizado em: 09/12/2021
Imagem mostra estudantes ao fundo, sentados em carteiras em um palco. Em primeiro plano, a bandeira da ONU
Cada estudante da EMEBS Helen Keller representou um país durante o evento (Foto: Ana K. Muner/SME)

Os estudantes da EMEBS Helen Keller, uma escola municipal de educação bilíngue para surdos, simularam nesta quinta-feira (9) uma assembleia geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Todos os participantes são surdos e se comunicam em Libras. O evento também contou com tradução para os ouvintes. O secretário municipal da Educação, Fernando Padula, e a secretária de Relações Internacionais, Marta Suplicy, participaram da atividade.

“A educação da Cidade de São Paulo é inclusiva, potente. Nosso currículo traz esse tema e os direitos humanos, como as ações de combate ao racismo, por exemplo, um modelo que pode e deve ser copiado pelos países aqui representados”, comentou Padula.

A embaixadora do Brasil na África, Irene Vida Gala, assim como os cônsules do Japão, Asuka Ozutsumi; da Suécia, Peter Johansson; da Finlândia, Lasse Keisalo, entre outros, participaram estiveram entre os convidados do evento.

A simulação permitiu um debate sobre o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 8, que trata sobre trabalho decente e crescimento econômico. Cada estudante da EMEBS Helen Keller representou um país.

O evento encerra um projeto chamado MONUEM, promovido pelo Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores em São Paulo (ERESP). Durante todo o semestre os estudantes participaram de aulas com objetivo de entender como age um diplomata em um ambiente de negociação de temas vitais, representando um país.

O programa é direcionado para estudantes da rede pública que querem conhecer um pouco mais sobre o cenário internacional e gostam de falar em público. Ele também ajuda a desenvolver habilidades e competências como persuasão, pensamento crítico e comunicação.

Para a assistente de direção da unidade, Sandra Farah, o programa contribui com a qualificação e inclusão dos estudantes nas questões internacionais, além de ampliar conhecimentos. “Agora na simulação os alunos vão mostrar tudo o que aprenderam nas aulas”.

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Sme Na Bienal

Bienal do Livro começa neste sábado e estande da SME recebe grandes nomes da literatura brasileira

Publicado em: 01/07/2022 4h18 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia mostra 20 crianças, 18 em pé e 2 ajoelhadas à frente. As que estão ajoelhadas seguram desenhos e uma que está em pé atrás dela segura outro. Uma das crianças que está em pé segura o livro

Estudantes de EMEI enviam cartas para instituição que acolhe refugiados no Rio de Janeiro

Publicado em: 01/07/2022 3h19 - em Secretaria Municipal de Educação

Merendeira servindo refeição para estudante
Fotografia mostra 17 estudantes e uma professora, eles estão em duas filas uma atrás da outra e a professora está ao centro. A professora veste uma camiseta preta da AEL e uma saia preta. Todos os estudantes vestem a mesma camiseta, uma capa prateada e uma medalha.

Rede Municipal de SP ganha Academia Estudantil de Letras Carolina Maria de Jesus

Publicado em: 30/06/2022 2h16 - em Academia Estudantil de Letras

Imagem mostra as mãos de uma pessoa fazem sinal em Libras.

Polo UniCEU Casa Blanca tem inscrições abertas para graduação em Letras

Publicado em: 30/06/2022 11h47 - em Secretaria Municipal de Educação

1 2 3 1.250