Notícias

EMEF General de Gaulle recebe cientistas do Albert Einstein para Semana do Cérebro

Em cinco estações, estudantes aprendem sobre ilusão de ótica, memória, anatomia, reflexo e sensações e percepções; ‘ser cientista não é algo inalcançável e distante’, diz professora

Publicado em: 16/03/2022 12h25 | Atualizado em: 16/03/2022

Ambiente escolar com uma pessoa adulta mostrando uma réplica de um cérebro para um grupo de estudantes.Começaram nesta terça-feira (15) as atividades da Semana do Cérebro na EMEF General de Gaulle, no bairro Jardim Ibirapuera. Internacionalmente conhecido como “Brain Awareness Week (BAW)”, a campanha ocorre globalmente, de forma simultânea, com a proposta de promover o conhecimento e apresentar práticas e avanços da neurociência para todos.

Foi a primeira vez que o evento ocorreu fisicamente em uma escola. Nesta terça foi aplicado, de forma piloto, para as turmas do 4° ano da EMEF General de Gaulle. Na quinta-feira (17), será a vez dos alunos do 9° ano.

A professora Alessandra Alves Rodrigues que atua na EMEF fez a ponte com a equipe do Hospital Albert Einstein e, em conjunto com a coordenadora de pesquisa em neurociência, Liana Guerra Sanches, levou o projeto para a escola. A docente diz que a atividade é fundamental para que as crianças desmistifiquem a profissão. “Muitos acreditam que ser um cientista é algo inalcançável e distante. Aqui neste momento estamos plantando uma semente para que eles saibam que eles podem ser o que quiserem”, diz Alessandra.

No total, participam da ação 11 cientistas do Hospital Albert Einstein que no momento das atividades se dividem em grupos. Em cada sala, chamadas de estações, eles apresentam aos alunos o sistema de funcionamento do cérebro. São cinco temas abordados: ilusão de ótica, memória, anatomia, reflexo e sensações e percepções. O conteúdo é passado de forma lúdica com dinâmicas e as crianças têm a oportunidade de conhecer, ainda, um pouco mais sobre o que é ser um cientista.

Liana revela que para toda a equipe está sendo possível viver uma nova experiência. “É um grande experimento e a gente tem tanto para trocar. Nós pesquisadores e cientistas precisamos passar isso para a sociedade. É preciso tirar o cientista de dentro do laboratório para que todos conheçam e reconheçam os avanços na neurociência. Com essas atitudes a ideia é trazer a população para o lado do cientista e que isso dê apoio a ciência como um todo.”

Para a diretora da escola, Eliude Rozalino dos Santos, o projeto auxilia o aluno a pensar e criar um projeto de vida. “Ser cientista não é algo longe ou até mesmo atuar em qualquer outra profissão”, diz Eliude. Ela diz também sobre o período pandêmico que as crianças passaram e reforça a importância de novos projetos e parcerias. “Agora é o momento de resgatar atividades e juntos fazermos parcerias pelo principal que é trazer às crianças o ensino com qualidade”.

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Crianças e professora de Educação Infantil em sala de aula.
Professora de Educação Infantil sentada no chão da sala com cinco bebês sentados a sua volta brincando.

SME faz nova convocação de aprovados em concurso

Publicado em: 22/09/2022 5h07 - em Secretaria Municipal de Educação

Imagem com o fundo em mosaico colorido em tons de lilás, azul e verde, onde se lê
Imagem com fundo azul, três faixas no canto esquerdo nas cores rosa, azul e verde, no centro está escrito IV EducaPenha.

DRE Penha realiza IV EducaPenha

Publicado em: 21/09/2022 6h59 - em Diretoria Regional de Educação Penha

Fotografia mostra pessoas sentadas em cadeiras de auditório. Elas estão olhando para frente, para o palco, onde há um homem de pé, segurando um microfone, que está falando enquanto olha para uma apresentação de slide, onde se lê: “Será que eu fiz certo?” na cor vermelha. Abaixo contém o texto: “Na dúvida, pergunte, consulte os colegas, os estudantes. Estude, retome a teoria. Refaça, volte ao começo. E faça outra vez. A prática é fundamental para o desenvolvimento, evolução”, que está escrito na cor preta.
1 2 3 1.283