Notícias

CEU Casa Blanca sedia desfile na 8ª edição do “Moda no CEU”

Evento contou com presença do diretor da SPFW, Paulo Borges, e os artistas Emicida e Evandro Fióti

Publicado em: 27/10/2016 16h27 | Atualizado em: 30/11/2020

CEU_casa_blanca_sedia_desfile_na_8_edicao_moda_no_CEU_740_x_430.jpg

O Centro Educacional Unificado (CEU) Casa Blanca recebeu, em seu teatro, o desfile da marca “Laboratório Fantasma”, do rapper Emicida e o cantor e compositor Evandro Fióti. A apresentação foi uma das atividades desenvolvidas para a 8ª edição do projeto “Moda no CEU”, iniciativa que aproxima as unidades educacionais ao mundo da moda e da São Paulo Fashion Week (SPFW).

O evento começou com um discuso da gestora do CEU Casa Blanca, Regiana Paixão, sobre a importância do desfile para o CEU. Ela também passou a programação do desfile e apresentou os convidados.

Logo após Regiana deixar o palco, as luzes do teatro se apagaram e, no fundo, uma música do Emicida começou a tocar. Quando as luzes se acenderam, o rapper estava no centro do palco, cantando. Alguns minutos depois, ele saiu do palco e deu espaço para o início do desfile.

A Laboratório Fantasma, marca de Emicida e Evandro Fióti, realizou um desfile exatamente igual ao apresentado na SPFW na última segunda, 24 de outubro.

A reunião das e dos modelos para saudar o público marcou o término do desfile. Em seguida, o fundador e diretor da SPFW, Paulo Borges, subiu ao palco para mediar um bate-papo entre Emicida e Evandro Fióti.

Bate-papo – Durante os aproximadamente 30 minutos de conversa, Emicida e Fióti falaram sobre a importância de levar o SPFW para o CEU Casa Blanca, de encorajar a periferia a seguir seus sonhos e reivindicar seus direitos. “Temos que fazer esse trabalho e passar nas quebradas, falando que vocês têm sua grandeza e têm sua voz”, disse Emicida, dirigindo-se ao público no bate-papo.

Na sequência, Paulo Borges abriu a roda de conversa para o público, que pôde fazer perguntas. O estudante de 13 anos, Thiago, do 7° ano, emocionou-se na hora de fazer perguntas para o rapper Emicida e caiu em lágrimas. Essa comoção fez com que ele subisse ao palco e sentasse ao lado do cantor para fazer sua pergunta.

Ao perguntar para o cantor qual é o sentimento que ele tem ao pegar no microfone, Thiago obteve sua resposta. “Um poder desses traz grandes responsabilidades. Se o que eu coloco na ponta da minha caneta ajuda alguma criança a acreditar no sonho dela, eu fico feliz”, contou Emicida.

A emoção de Thiago tem sua explicação. “Eu me emocionei porque eu gosto de rap faz muito tempo e o primeiro rapper que eu ouvi foi o Emicida”, disse. Além disso, o estudante comentou sobre a sensação de estar no palco com um de seus ídolos. “Meu coração estava a milhão, eu sempre quis conhecer ele”, completou.

O CEU – Regiana Paixão, gestora do CEU Casa Blanca, comemorou a vinda do desfile à unidade escolar. A gestora contou que o desfile possibilitou o acesso das pessoas ao mundo da moda e que isso fez com que todos se sentissem parte dele. “Foi importante para mostrar que quem consome moda está em todos os lugares da cidade”, complementou Regiana.

De acordo com a gestora, a participação do rapper Emicida foi fundamental para o sucesso do evento, devido à importância do rap para a comunidade. “O rap aqui na periferia é instrumento de politização, é uma forma de se libertar”, disse Regiana. Para ela, o rap é uma forma de contextualizar a realidade que se vive todos os dias na periferia.

O SPFW – O fundador e diretor da São Paulo Fashion Week, Paulo Borges, que esteve no evento como mediador do bate-papo, disse que o projeto de levar o SPFW aos CEUs é um marco histórico. Isso porque, para ele, o projeto trabalha a questão do ser humano com discussão, inclusão e dignidade.

Borges ainda afirmou que a maior contribuição do projeto é fazer com que as pessoas sintam-se capazes de acreditarem e terem sucesso em seus sonhos, o que ele chama de “abrir os olhos da alma”. “Sucesso é uma conquista feita por meio do trabalho. Mas não existe trabalho se não existirem os olhos da alma abertos”, completou.

A Laboratório Fantasma – Os irmãos Emicida e Evandro Fióti, donos da marca “Laboratório Fantasma”, contaram que mostrar o seu trabalho, desenvolvido nos últimos sete anos, numa perspectiva construtiva e realista foi o diferencial do desfile.

Fióti acredita que a maior contribuição deles para os presentes no teatro do CEU Casa Blanca foi a de motivá-los, “mostrar para eles que com perseverança, foco, trabalho, determinação é possível você vislumbrar e alcançar os seus objetivos de vida, seja qual sonho for”, disse. “O que a gente veio fazer aqui foi propor que a pessoa consiga alimentar a esperança, consiga se imaginar em outra posição”, comentou.

Emicida compartilha da mesma linha de raciocínio de Fióti. “Quero que essa molecada coloque a criatividade delas onde for, seja numa passarela, seja no microfone, seja advogando, seja como médico… Quero que elas acreditem que podem mudar o mundo, porque elas realmente podem”, observou Emicida.

Veja as galerias de fotos:

Galeria 1

Galeria 2

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

825x470 (1)

Centenário de Paulo Freire: relembre a história e trajetória do educador na SME

Publicado em: 19/09/2021 10h01 - em Secretaria Municipal de Educação

Imagem de um notebook sobre uma mesa com a mão de uma pessoa que veste camiseta preta. Ao seu lado aparece a mão de outra pessoa.

Seminários do ciclo de escuta ativa das DREs São Mateus e Santo Amaro ocorrem nesta segunda-feira

Publicado em: 17/09/2021 6h27 - em Secretaria Municipal de Educação

Banner 8ª edição do Premio Educação em Direitos Humanos 2021
Banner do Educador em Destaque
Imagem com mosaico de sete fotografias de pessoas em uma reunião on-line.

SME tem semana de reuniões bilaterais com as entidades sindicais

Publicado em: 16/09/2021 8h49 - em Secretaria Municipal de Educação

1 2 3 1.189