Notícias

Quando os livros vão além dos muros da escola

Ações realizadas pela EMEF Vargem Grande II visam levar os livros para o alcance de toda comunidade

Publicado em: 14/10/2015 14h58 | Atualizado em: 30/11/2020
muroteca_740_x_430.jpg

Na EMEF Vargem Grande II, extremo sul da cidade, os livros estão à disposição do aluno a qualquer hora e lugar. A escola, pertencente à Diretoria Regional de Educação (DRE) Capela do Socorro, possibilita aos pequenos muito mais do que uma biblioteca convencional.

Os livros agora ganharam espaço e estão na intitulada “Muroteca”. A ação consiste em vários exemplares pendurados num painel na parte de fora da escola em que toda a comunidade pode pegar emprestado um livro. Boa parte do acervo vem de doação. As crianças fizeram o trabalho de decoração do muro.

Este projeto nasceu de uma forma diferente. Em 2014, a EMEF Vargem Grande II teve a ideia de colocar uma bolsinha com livro dentro dos ônibus que fazem a linha no bairro de Vargem Grande. Através do “Ônibus literário”, as pessoas podiam ler, levar para casa e depois devolver os volumes. Porém, com o tempo, tanto os livros como as sacolas não retornavam para os locais de origem, o que acabou inviabilizando a ação.

A diretora Maria Maura Moreira conta que na unidade os livros estão por toda parte. “Na hora da saída tem aluno que pega um livro para ler enquanto espera o transporte escolar. Tem alguns que até deixam um ‘separadinho’ para terminar de ler depois”, disse.

Leitura em casa – Dentro do projeto “Canto de Encanto”, que visa incentivar a formação de leitores, tem ainda a mediação de leitura nas famílias do bairro. Durante a reunião de pais é feita uma lista com os nomes de quem quer receber a visita da turma de alunos.

Quinzenalmente, dez crianças vão até uma residência para ler para toda a família. Alguns professores acompanham a ação e levam a caixa recheada de livros.

No dia 2 de outubro, foi a vez de Elizabete Aparecida de Castro, mãe do Thiago de 7 anos, receber uma leitura para lá de divertida. Desde que estava grávida, Elizabeth lia para o filho. Quando ele nasceu, o hábito continuou. “O Thiago só dormia no berço se eu contasse historinha. Se não tivesse livro, eu inventava alguma história”, conta a mãe.

Depois de formada a roda, é o toque do sino que indica a hora de começar a leitura. Quem comandou a ação foi a pequena Suzanny, de 8 anos. Cada página lida era, na sequência, mostrada para os colegas verem as ilustrações.

De olhos e ouvidos atentos, os alunos logo indicaram a dona Elizabeth para também ler. O livro escolhido foi “Quem tem medo de monstros”. Em seguida, foi a vez da leitura em dupla. Cada aluno escolhia um amiguinho ou professor para ler. O desafio de interpretar os sons e as palavras renderam boas risadas.

Ao final da leitura, o sino novamente aparece em cena. Hora de guardar os livros e festejar o encontro! Thiago ainda presenteou os colegas com um livro. “Ele estava passando em uma loja, viu o livro e logo quis trazer para todos os amigos. Aí pensou na sacolinha e no pirulito”, disse Elizabete. “Ele nem dormiu direito essa noite de tanta ansiedade. Todo momento perguntava se já estava na hora. Foi o dia mais feliz da vida dele”, revela a mãe. 

Confira aqui a galeria de imagens.

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Whatsapp Image 2022 06 21 At 15.07.20

Estudantes da Rede Municipal passam por triagem oftalmológica pelo programa ‘Ver na Escola’

Publicado em: 21/06/2022 3h18 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia de um rapaz, dos olhos para baixo. Ele está escrevendo em uma agenda. Ao fundo há um computador portátil e uma planta desfocados.

IFSP recebe inscrições para especialização em Educação Profissional e Tecnológica

Publicado em: 21/06/2022 2h18 - em Secretaria Municipal de Educação

Junho Migrante - diversos retratos de crianças com a imagem de um mapa do mundo

SME promove o Junho Migrante com rodas de conversa sobre migração

Publicado em: 21/06/2022 12h16 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia fragmentada mostra 3 pares de pés, todos com o pé esquerdo no chão e o direito pouco levantado. No tornozelo direito da pessoa que está no meio há uma tornozeleira para dança de origem indígena, as pessoas que estão nas extremidades têm uma tornozeleira feita de material reciclável.

SME reúne relatos de práticas pedagógicas sobre histórias e culturas indígenas

Publicado em: 20/06/2022 4h12 - em Secretaria Municipal de Educação

Sobre um fundo verde, um mapa da cidade de São Paulo e os dizeres: Curriculo da Cidade, Considerações do Conselho Municipal de Educação de São Paulo

Conselho Municipal emite parecer sobre o Currículo da Cidade

Publicado em: 15/06/2022 3h02 - em Conselho Municipal de Educação

1 2 3 4 5 6 1.250