Notícias

Projeto de EMEF da zona leste vence a décima edição do Prêmio Paulo Freire

Este ano concorreram ao prêmio 140 projetos desenvolvidos nas escolas da Rede Municipal de Ensino.

Publicado em: 26/07/2016 18h17 | Atualizado em: 30/11/2020
paulo_freire_740_x_430.jpg

Na noite da última sexta-feira (18) aconteceu no Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo a cerimônia de entrega do Prêmio Paulo Freire, premiação promovida anualmente pela Câmara Municipal, que está em sua décima edição e tem como principal objetivo estimular e valorizar as iniciativas que, com alternativa e criatividade, estejam alinhadas a uma política educacional comprometida com o processo de ensino.

A solenidade de entrega do Prêmio Paulo Freire foi conduzida pelo vereador Reis, presidente da Comissão de Educação na Câmara e contou com a participação da Professora Joane Vilela, Diretora de Orientações Técnico-Pedagógicas da Secretaria Municipal de Educação (SME), Hilda Martins, do Conselho Municipal de Educação (CME), Thiago Cesar, da União Municipal dos Estudantes Secundaristas (UMES) e a vencedora edição 2014 do prêmio, a professora Meire Regina de Lima.

O parlamentar acredita que a premiação não apenas coloca em destaque o trabalhos das escolas, mas também incentiva a continuidade. “Esse prêmio valoriza os projetos de educação e aqui várias escolas apresentaram suas iniciativas e foram analisadas. Isso nada mais é do que estimular, exaltar aqueles que lutam por uma educação de qualidade, que realmente trabalham para que São Paulo seja uma cidade educadora”, afirmou Reis.

Joane Vilela exaltou o trabalho de todos os professores inscritos na premiação. “A gente tem que aproveitar esses momentos para dar visibilidade ao trabalho do professor. Vocês fazem coisas belíssimas na sala de aula e têm que aproveitar estes momentos para mostrá-los.”

O grande momento da noite aconteceu quando foram anunciados os grandes vencedores da 10ª edição do Prêmio Paulo Freire – 2015. Em primeiro lugar ficou Projeto “Arte e intervenção social”, da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Professor Aurélio Arrobas Martins, que teve como responsável o professor Daniel Carvalho de Almeida.

Recebeu a Salva de Prata de segundo lugar o projeto “Etnia: Um estudo sobre as histórias, cultura, opressão e a resistência da população afro-brasileira”, do Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos (CIEJA) Sapopemba, representado pelos professores Denis Ricardo Bezerra, Maria das Graças de Oliveira Galvão e Douglas Sanches da Silva.

A Salva de Prata de terceiro lugar foi para a Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Dona Leopoldina, com o projeto ‘Pequenos conselheiros, grandes ideias’. A escola foi representada pelas professoras Márcia Covelo Harmbach, Simone Cavalcanti da Silva e Iveline Santos Zacharias.

Outros sete projetos foram contemplados com menções honrosas. São eles:

Projeto: “Comunicação e troca com as famílias: Boletim Informativo do CEI”

Responsável: Coordenadora Genilde Chagas.
CEU CEI Jaçanã.
Projeto: “Rádio JMS 4.0”
Responsáveis: Professores André Jonatas Barbosa e Ana Carolina Cuofano Gomes da Silva.
EMEF General Júlio Marcondes Salgado.
Projeto: “Diversidade, cidadania e qualidade de vida: africanidades”
Responsáveis: Professoras Aline Patrícia Avelino Ferraz, Kilma Ferreira de Castro e Rosana Balarine Gomes Cruz.
CIEJA Professora Marlúcia Gonçalves de Abreu.
Projeto: “Palmares Vive”
Responsáveis: Professores Sandra Santella de Sousa, Cristiane da Silva Pereira Reinoldes e Rosélia Maria Pereira Vioto.
EMEF Professora Marili Dias.
Projeto: “Formação cidadã: sonhe, acredite e conquiste”
Responsáveis: Professoras Carla Cristina dos Santos Antonio e Vânia Cristina Majoral.
EMEF Coelho Neto.
Projeto: “Matemática 2015 – aprender brincando”
Responsável: Professora Elisangela Barbosa.
EMEF Vereadora Anna Lamberga Zéglio.
Projeto: “Sócrates Brasileiro, uma identidade escolar pública, democrática e popular na diversidade”
Responsáveis: Diretora Solange Aparecida Cabrito de Amorim, Professores Antonio Augusto Ribeiro Marcatti e Eliseu Marcolino Rosa Müzel.
EMEF Sócrates Brasileiro Sampaio de Sousa Vieira de Oliveira.

10ª edição – Em 2015 houve o maior número de inscrições de projetos já realizadas no prêmio. Ao todo foram 140 projetos, o maior número de iniciativas desde que a premiação começou a ser entregue.

Todos os projetos foram avaliados pela Comissão Julgadora composta pela Secretaria Municipal de Educação, Comissão Permanente de Educação, Cultura e Esportes da Câmara, SINPEEM (Sindicato dos Profissionais de Educação no Ensino Municipal de São Paulo), UMES (União Municipal dos Estudantes Secundaristas).

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Quadro com os 11 participantes do seminário online

Ciclo da escuta ativa chega ao terceiro dia com as DREs Pirituba e Penha

Publicado em: 28/09/2021 9h09 - em Secretaria Municipal de Educação

Imagem mostra uma estudantes e um estudante jogando badminton na quadra da escola.

De atletismo a badminton: CEUs oferecem 18 modalidades esportivas olímpicas

Publicado em: 27/09/2021 6h12 - em Secretaria Municipal de Educação

Whatsapp Image 2021 09 14 At 17.18.41 (1)

Escola faz rodas de conversa, live e entrevista para conscientizar estudantes sobre pobreza menstrual

Publicado em: 27/09/2021 4h20 - em Secretaria Municipal de Educação

Imagem de um tablet e duas mãos, uma segurando o aparelho e outra em movimento de tocar a tela.

Ciclo da escuta ativa continua nesta segunda-feira com as DREs Pirituba e Penha

Publicado em: 24/09/2021 5h31 - em Secretaria Municipal de Educação

Criativos Na Escola

Desafio Criativos da Escola recebe inscrições para trabalhos do ciclo autoral

Publicado em: 23/09/2021 6h24 - em Secretaria Municipal de Educação

1 2 3 1.192