Notícias

III Mostra Cultural Agosto Indígena no CEU Vila Rubi

Abertura oficial do Agosto Indígena da DRE Capela aconteceu na quinta, 17 de agosto

Publicado em: 04/09/2018 16h14 | Atualizado em: 30/11/2020

III_Mostra_Cultural_Agosto_Indigena_CEU_Vila_Rubi_740_x_430.jpg

Na quinta, 17 de agosto, aconteceu a abertura da III Mostra Cultural Agosto Indígena, no Centro Educacional Unificado (CEU) Vila Rubi, da Diretoria Regional de Educação (DRE) Capela do Socorro. Culturas diversas trocaram experiências. “Os homens brancos”, como falaram os índios, aprenderam sobre os costumes indígenas e sobre a história do Brasil.

As duas aldeias da DRE Capela, Tenondé Porã e Krukutu, mostraram os seus instrumentos, suas artes e esculturas. Sorridentes, ensinaram sobre cada artesanato apresentado em cima de uma longa mesa. O clima era de festa. Muitos convidados, entre professores e diretores, conversaram sobre os indígenas e os itens mostrados.

O Diretor Regional de Educação da DRE Capela, Marivaldo Souza, abriu o evento. “Este é um momento importante para a DRE Capela do Socorro. Temos que celebrar”, disse. Na sequência, o coral do Centro de Educação e Cultura Indígena (CECI) Tenondé Porã, formado por 20 indígenas, entre crianças, jovens e adultos, cantou três músicas na língua Guarani. Segundo Bruno Lima Gabriel, indígena da Tenondé, a primeira música fala “sobre os pássaros e as florestas”. A segunda fala sobre o Deus Nhãnderuete e a terceira, segundo o garoto, sobre tudo que existe na terra.

“Espero que o pessoal tenha gostado e que entenda sobre a nossa cultura”, disse Bruno. A liderança dos indígenas foi chamada para um debate. Wera Jeguaka, cantor de rap e escritor, conhecido como Kunumi MC, cantou antes do debate. Bem expressivo e com muita presença de palco, abordou, em suas letras, a luta dos povos indígenas.

Depois dos raps, o debate sobre os povos indígenas começou. Foram abordados a história do Brasil e os problemas dos povos indígenas. Marcele Guerra, antropóloga, mostrou e abordou, em slides, sobre as antigas comunidades indígenas do Brasil. “Os povos indígenas foram um presente na minha vida. Eu cheguei neste trabalho desde o segundo ano da faculdade por meio da comunicação comunitária e acesso aos direitos”, conta a antropóloga.

O professor Leno Ricardo Vidal, da EMEF José de Alcântara Machado Filho, fez uma palestra intitulada “Eu Venho do Mundo, Raízes Pankararu: Um Memorial Encantado do Outro Lado do Rio” e uma apresentação cultural Pankararu – uma dança indígena.

Para finalizar, os indígenas chamaram a plateia ao palco para fazer uma dança sagrada, onde pediram, aos ancestrais, saúde e fé. Todos dançaram ao som guarani.

Clique aqui para ver a galeria de fotos

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Apresentação teatral na abertura do Recreio nas Férias.

“Recreio nas Férias” começa nesta segunda-feira com protocolo contra contaminação do Covid

Publicado em: 10/01/2022 2h47 - em Secretaria Municipal de Educação

foto de professora na sala de leitura, dois estudantes olham atentamento para ela. Todos usam máscaras

SME divulga classificação prévia dos interessados na contratação temporária

Publicado em: 07/01/2022 9h47 - em Diretoria Regional de Educação Butantã

Em cima, os dizeres: Gratificação de difícil Acesso. No meio: desenho de um mapa, com um localização ao centro, destacada por um pin

Gratificação de Difícil Acesso: saiba como identificar o distrito da sua escola

Publicado em: 06/01/2022 5h17 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia de uma sala de aula com um professor usando máscara de proteção individual e estudantes sentados em suas cadeiras.
Imagem mostra uma sala de escape room com o ambiente decorado em forma de castelo de bruxa. Na sala é possível ver uma janela com imagem de cemitério, uma bruxa voando em sua vassoura, caldeirão, estante de poções.

Professores e estudantes de escola municipal de São Paulo criam ‘escape room’ pedagógico

Publicado em: 03/01/2022 12h00 - em Secretaria Municipal de Educação

1 2 3 4 5 1.212