Notícias

Evento virtual marca lançamento do caderno de Orientações Pedagógicas: Povos Migrantes

Além de oferecer subsídios teóricos, o material revela experiências exitosas no trabalho cotidiano com estudantes migrantes nas escolas municipais

Publicado em: 16/06/2021 17h20 | Atualizado em: 18/06/2021
Elemento da capa do caderno Currículo da Cidade Povos Migrantes Orientações Pedagógicas

 

A Secretaria Municipal de Educação de São Paulo promoverá nesta sexta-feira (18), às 14 horas, uma live de lançamento do documento “Orientações Pedagógicas: Povos Migrantes”. O material aborda o acolhimento e a valorização dos migrantes internacionais nas escolas municipais e considera a diversidade e a mobilidade humana como conteúdo de debates e aprendizados. O evento virtual será transmitido pelo YouTube do Núcleo Técnico de Currículo e é aberto a qualquer pessoa interessada.

O caderno Orientações Pedagógicas: Povos Migrantes procura promover a valorização da diversidade cultural e as reflexões a partir da escola como espaço de convivência coletivo, no qual migrantes e seus familiares devem ser acolhidos e ter seus direitos garantidos. A elaboração do conteúdo foi coordenada pelo Núcleo Técnico de Currículo (NTC) da SME, por meio do Núcleo de Educação para as Relações Étnico-Raciais (NEER).  

Além de oferecer subsídios teóricos, o material revela experiências exitosas implementadas no trabalho cotidiano com estudantes migrantes e possibilita a reflexão sobre as práticas educacionais realizadas na Rede Municipal de Ensino (RME), nos mais diversos momentos da vida escolar – desde a matrícula aos espaços de vivências e salas de aula, desde a Educação Infantil ao Ensino Médio.

O documento lançado está em consonância com a Política Municipal para a População Imigrante, a Lei Municipal nº 16.478/2016, que assevera a garantia de direitos no Município de São Paulo. A partir do compromisso com a tríade: Educação Integral, Equidade e Educação Inclusiva, dialoga com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, apresentando as pontes existentes.

Acesse o material Orientações Pedagógicas: Povos Migrantes

Mais de 7 mil migrantes

Em 2020, a Rede Municipal de Ensino de São Paulo atendeu um total de 7.350 estudantes migrantes de cerca de 100 nacionalidades. Entre elas, a mais representativa é a boliviana, seguida da haitiana, e há também um número significativo de estudantes originários da Venezuela, Angola, Paraguai, Peru, Argentina, Japão, Colômbia e Estados Unidos da América. Em 2021, o número de migrantes continuou crescendo na rede, totalizando atualmente 7777 estudantes (dados de março/2021).

Globalmente, a RME possui mais de um milhão de estudantes matriculados e os migrantes internacionais representam cerca de 0,7%. Embora o número seja pequeno proporcionalmente, a realidade muda de escola para escola, chegando, em alguns casos, a representar a maioria dos estudantes – como ocorre no CIEJA Perus I, na Diretoria Regional de Educação (DRE) Pirituba-Jaraguá.

Lançamento

O evento de lançamento virtual do documento inicia às 14 horas do dia 18 de junho. e contará com a participação de especialistas das Secretarias Municipal de Educação (SME) e de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura (UNESCO), da Organização Internacional para as Migrações (OIM), da ONG Repórter Brasil, além da autora do material, Tatiana Waldman.

Assista ao lançamento virtual do Orientações Pedagógicas: Povos Migrantes

Confira detalhes dos participantes:

Bryan Sempertegui – Imigrante boliviano, gestor de políticas públicas e assessor da Coordenação de Políticas para Imigrantes e Promoção do Trabalho Decente da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania.

Carolinne Mendes – está à frente das ações para os Povos Migrantes no NEER (Núcleo de Educação para as Relações Étnico-Raciais) da SME. É professora de história, doutora e mestre em História pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, onde ministra cursos de extensão e realiza pesquisas nas áreas de relações raciais e de gênero no Brasil e história e audiovisual.

Felipe Costa – Doutorando em Educação na Faculdade de Educação da USP (FEUSP). Mestre em Letras pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Licenciado em Letras (UMC) e em Pedagogia (UNINOVE). Especialista em Estudos da Linguagem (UMC) e em Ética, Valores e Cidadania na Escola (USP). Coordenador Pedagógico na Rede Municipal de Ensino de São Paulo. Atualmente, diretor do Núcleo Técnico de Currículo (NTC-SME).

Guilherme Otero – Coordenador de Projetos na Organização Internacional para as Migrações (OIM), e coordenador do escritório da OIM em São Paulo. É Mestre em Políticas Públicas pela Universidade Federal do ABC (UFABC) e graduado em Relações Internacionais pela Universidade de São Paulo (USP). Foi integrante do coletivo de extensão universitária Educar para o Mundo de 2009 a 2012, e atuou na Coordenação de Políticas para Migrantes da Prefeitura de São Paulo entre 2013 e 2016.

Jussara Santos – é Doutora (UFSCAR) e Mestra (PUC- SP) em Educação para as relações raciais. Atua em comissões de heteroidentificação nos diversos estados do Brasil. É professora de Educação Infantil e Ensino Fundamental I e atualmente é coordenadora do Núcleo de Educação Étnico Racial (NEER) na SME. Toca tambor no bloco afro Ilu Obá de Min e é estudante de curso de Direito.

Mariana Alcalay – Oficial de projetos do Setor de Educação da Representação da UNESCO no Brasil, responsável pela área de Educação para o Desenvolvimento Sustentável e ponto focal para a resposta humanitária para migrantes venezuelanos. É mestre em direitos humanos, especialista em assistência humanitária e manutenção da paz internacional e bacharel em Relações Internacionais.

Tatiana Waldman – Mestra e Doutora em Direitos Humanos pela Universidade de São Paulo (USP). Atua com os temas de migrações internacionais e direitos humanos com experiência em diferentes instituições. Trabalhou como assessora do NEER para a elaboração das Orientações Pedagógicas: Povos Migrantes.

Thiago Casteli – assessor de projeto do programa Escravo, nem pensar! Atua como formador de educadores sobre trabalho escravo e direitos dos imigrantes desde 2010. Formado em História pela Universidade de São Paulo (USP), atuou como arte-educador no Memorial da América Latina e como monitor de intercambistas norteamericanos no Council on International Educational Exchange. Além disso, foi educador de uma rede de cursinhos populares de São Paulo. 

 

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Fotografia do Theatro Municipal da parte externa toda iluminada durante a noite.

Projeto Municipal Circula oferece espetáculos gratuitos nos CEUS 

Publicado em: 22/04/2024 12h21 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia de mãos unidades e a logomarca da crece
Festival Literário

EMEF Célia Regina Lekevicius Consolin promove Festival literário para toda a comunidade

Publicado em: 19/04/2024 4h16 - em Diretoria Regional de Educação Jaçanã/Tremembé

Um professor segura o braço de uma estudante que sobe em uma corda. Ao fundo, uma floresta e um rio.

Estudantes da Rede Municipal visitam Polo de Ecoturismo de São Paulo

Publicado em: 18/04/2024 6h16 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia mostra seis pessoas sentadas em uma bancada vermelha, atrás deles se lê

Secretaria Municipal de Educação promove encontro formativo para educadores sobre proteção escolar

Publicado em: 18/04/2024 3h16 - em Secretaria Municipal de Educação

1 2 3 1.440