Notícias

Escola da Rede Municipal de SP monta barraca literária em feira livre

Estudantes que participam de projeto no contraturno levam literatura para as ruas; ação ganhou o 9° Prêmio de Educação em Direitos Humanos

Publicado em: 06/12/2022 15h57 | Atualizado em: 06/12/2022
Fotografia mostra 5 estudantes sentados. Na frente deles há um tecido no chão, com cestas com frutas de brinquedo e livros em cima

Quinzenalmente, às sextas-feiras, os estudantes que participam do projeto “Mediadores de Leitura” da EMEF Deputado Caio Sérgio Pompeu de Toledo, na DRE Guaianases, levam sua barraca literária, com o projeto “Poesia na Feira”, para a feira livre do bairro, onde apresentam literatura negra e indígena para os feirantes e a comunidade. O último evento do ano será no dia 9 de dezembro. 

Para a ação, os estudantes pegam sacolas de feira, carrinhos e colocam diversos livros, lona e frutas falsas. Ao chegarem na feira estendem a lona no chão e posicionam alguns livros, com uma fruta falsa sobre cada. Quando uma pessoa para na barraca e escolhe uma fruta, um estudante lê a poesia que estava embaixo.                                     

Paralelamente, outros estudantes caminham pela feira com a sacola de livros e abordam as pessoas que por ali passam, se identificam, explicam do que se trata o projeto e a importância do conhecimento da literatura e oferecem uma poesia. Então fazem a leitura, com a proposta de que o ouvinte reflita sobre o que foi lido.

“O projeto promove uma educação antirracista e ao mesmo tempo empodera os educandos pretos e indígenas. A literatura nos leva a refletir que quando a cultura de um povo não é respeitada, quando pessoas são julgadas pela cor da pele, quando se tem uma estrutura que bloqueia o acesso dessas pessoas as mesmas oportunidades que os demais, fica evidente que seus direitos não estão sendo respeitados”, disse a professora idealizadora do projeto, Renilde Passos.

A ideia para esta ação surgiu com uma brincadeira em que a professora Renilde propôs que, se os estudantes declamassem uma poesia na feira, eles ganhariam um pastel. Ao perceber o interesse desses estudantes, a professora conversou com a turma e amadureceu a ideia. Em seguida, eles escreveram uma carta apresentando a proposta à gestão da escola e pedindo a compra dos materiais necessários para a execução da atividade, como lona, sacolas de feira, carrinho de supermercado, protetor solar, entre outros.

Fotografia mostra um estudante segurando um livro, ele está de frente para uma mulher que o olha atenta. Ao lado direito deles há uma menina parada e do lado esquerdo há uma barraca de feira com cebolas.

Sobre as saídas

“Imagine que você está na feira com seus filhos comprando frutas, legumes, comendo pastel, e se depara com um grupo de alunos com carrinhos de feira cheio de livros, sacolas de feira com pequenas poesias e textos, declamando poesia. Essa é nossa proposta, levar literatura para rua”, contou a professora Renilde.

As saídas acontecem quinzenalmente, em uma semana a turma pesquisa e se prepara, para na outra irem à feira. Os feirantes já estão acostumados com a presença deles e também participam como ouvintes, fazendo pedidos de gênero da poesia que será declamada.

A intenção do projeto é compartilhar literatura preta e indígena por meio de textos, livros e declamações de diversas formas. Nessas atividades, os estudantes se tornam multiplicadores das aprendizagens escolares e participam de experiências sociais, mediando o uso dos diversos gêneros literários, onde são utilizadas diversas abordagens pedagógicas. Também são maneiras de as pessoas conhecerem a história dos povos negros e indígenas e ter acesso à literatura.

Para os estudantes que participam do projeto, este é um momento de felicidade e reflexão, a professora mencionou que é como se ao carregarem os livros, estivessem carregando tesouros. “Eu acho bem legal esse projeto, pois assim levamos literatura para a rua e é uma forma de incentivar as pessoas a gostarem de leitura. Pra mim ler é incrível, e compartilhar autores incríveis é melhor ainda”, disse a estudante Anny Karolyne Pereira Araújo que participa do projeto. 

Premiação

O projeto ganhou o 9° Prêmio de Educação em Direitos Humanos, na categoria Educadores. Ele se enquadra nessa temática por promover uma educação antirracista e ao mesmo tempo empoderar os educandos pretos e indígenas, proporcionando o respeito à cultura desses povos

“Eu acredito na educação como prática que liberta. Foi gratificante ganhar o prêmio, me incentivou a continuar me empenhando  por uma educação de qualidade”, frisou Renilde.

Este prêmio tem como objetivo incentivar, promover e colaborar com o fortalecimento da educação em direitos humanos na rede municipal de ensino, ancorado no Plano Municipal de Educação em Direitos Humanos. 

Na foto há 7 mulheres e 1 criança, elas estão de pé olhando para a foto e seguram sacolas com estampas étnicas. Uma delas é a professora, que segura o trófeu do 9° Prêmio de Educação em Direitos Humanos. Ele é hexagonal, vermelho e está escrito 9º EDH.

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

1 2 3 1.310