Notícias

Curso teve como objetivo instrumentalizar os Educadores.

Publicado em: 04/01/2016 11h36 | Atualizado em: 30/11/2020
curso_afro_740_x_430.jpg

Aconteceu no dia 11 de novembro o encerramento do curso ” Cultura Popular Afro-brasileira: Práticas interdisciplinares como contribuições para a educação e cidadania”. A formação foi realizada no Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos (CIEJA) Santo Amaro e teve o objetivo de colocar os educadores em contato teórico e prático com múltiplas linguagens afro-brasileiras.

Os participantes puderam conhecer mais sobre cultura Afro-brasileira e participar de aulas práticas de Capoeira e Jongo, realizadas com o propósito de instrumentalizar os professores para futuras atividades com os alunos. 

Os conteúdos abordados passaram por reflexões sobre as manifestações da cultura afro-brasileira e sua relação com os espaços escolares e a comunidade, a articulação entre manifestações culturais e as diversas áreas de conhecimento, a Capoeira no Brasil Império, República, Estado Novo, Ditadura e Democracia, as influências da Capoeira na Literatura, Filatelia, Cinema, MPB, Teatro, Frevo e Futebol, A importância da música na Capoeira, Mestre Pastinha e a Capoeira Angola, Mestre Bimba e a Capoeira Regional, a institucionalização da Capoeira, vivência com o Ritual do Jogo da Capoeira, toques de Instrumentos: Pandeiro, Atabaque e Berimbau, treinamento dos movimentos básicos do Jogo da Capoeira e atividades de cântico e responsório com o Jongo, com a participação do Mestre Ariel e o percussionista Etiópia, ambos de Volta Redonda (RJ).

Para o Mestre em Capoeira e Mestrando em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), Valdenor S. dos Santos, formador em Cultura Popular pela Diretoria Regional de Educação (DRE) de Santo Amaro, o curso vai ao encontro de trabalhos similares já desenvolvidos pela Secretaria Municipal de Educação no sentido de descolonizar o currículo, considerando a necessidade de atendimento à demanda das escolas para o cumprimento das Leis 10.639/03 e 11.645/08 e em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil e para o Ensino Fundamental, levando ainda em consideração que no Brasil há no traço histórico da formação do povo brasileiro a forte presença da cultura afro, devido a quase quatro séculos de escravização. “A formação, além de proporcionar aos professores e professoras o contato teórico e prático com as linguagens da Capoeira e do Jongo, os motivou a refletirem sobre nossa história e os instrumentalizou para futuras atividades com os alunos e alunas, reforçando o entendimento de que esta e outras manifestações da cultura afro-brasileira e/ou popular são fontes de formação cidadã”, diz Valdenor.

 

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Fotografia de crianças em um ambiente escuro brincando com luzes, lanternas e objetos luminosos

CEI Parque Fernanda cria espaço na unidade para crianças terem Experiências com Luzes

Publicado em: 29/09/2022 3h25 - em Secretaria Municipal de Educação

CACS FUNDEB - Conselho de Acompanhamento e Controle Social do FUNDEB.

SME abre inscrições para compor conselho que vai fiscalizar uso da verba do Fundeb

Publicado em: 28/09/2022 5h06 - em Secretaria Municipal de Educação

Menina olha para tabuleiro de xadrez e movimenta uma peça com sua mão direita.

Cerca de 2 mil estudantes participam da Final Municipal de Xadrez Individual

Publicado em: 27/09/2022 4h50 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia mostra as mãos com um punhado de terra próximas de um broto de árvore que está no centro da imagem. Ao fundo, raios de sol sol e folhas verdes desfocados.

SME abre inscrições para curso sobre sustentabilidade e consumo consciente

Publicado em: 27/09/2022 3h30 - em Secretaria Municipal de Educação

Crianças e professora de Educação Infantil em sala de aula.
1 2 3 1.284