Notícias

CIEJA Cambuci recebe novos participantes do programa Transcidadania

Número de vagas duplicado em 2016

Publicado em: 11/01/2016 14h33 | Atualizado em: 30/11/2020
transcidadania_740_x_430.jpg

No dia 7 de janeiro, o Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos (CIEJA) Cambuci, da Diretoria Regional de Educação (DRE) de Ipiranga, recebeu 12 alunos transexuais e travestis que se inscreveram no Programa Transcidadania. O programa da Prefeitura de São Paulo é destinado a oferecer melhores condições e oportunidades de vida para travestis e transexuais em situação de vulnerabilidade social, oferecendo oportunidade de estudo e formação profissional. As participantes recebem uma bolsa para frequentar as aulas. Neste ano, as vagas no programa foram duplicadas. São ao todo 200 vagas.

As alunas entraram uma a uma na sala para realizarem a prova, que define o módulo para qual cada uma vai. “São quatro módulos”, explica a assistente pedagógica educacional do CIEJA, Daniela Cavalcanti Gonini. “Os primeiros dois módulos são do Ensino Fundamental I e o módulo 3 e 4 são para o Ensino Fundamental 2”. Daniela conta que muitas transexuais deixam de frequentar a escola cedo, por conta do preconceito. “Você vai pra escola com medo de sofrer violência… Como você vai se sentir bem? Muitas chegam nervosas por não terem frequentado a escola e por terem sofrido discriminação, mas aqui nós nunca tivemos problema com preconceito”, explica Daniela.

A aluna Vanessa, 39 anos, conta que está animada para começar as aulas. “Na época da escola, eu sofri muito preconceito. Era como se o estudo não valesse nada. É como se você fosse para aula só para sofrer preconceito”, conta. Ela, que veio do Ceará e estudou até a sétima série, conta que já passou por várias dificuldades e conheceu o programa por meio de uma amiga que começou a participar no ano passado. “Muita gente pensa que nós [transexuais] não temos habilidade nenhuma, mas nós somos iguais aos outros. Hoje eu encaro a vida, sigo em frente. O programa é uma oportunidade única”, conclui. Nesse momento Patrícia, que também já terminou a prova, entra na conversa e complementa, animada. “Olha, eu acordei hoje e pensei: Eu estou indo atrás do meu sonho”.

Maria Adélia Gonçalves, coordenadora do CIEJA Cambuci, corrige as provas e determina o módulo de cada participante. Ela explica que o programa hoje é reconhecido e também respeitado internacionalmente. “O programa serviu de espelho para outros países”, ressalta a coordenadora.

As aulas duram 2 horas e 15 minutos e elas podem escolher o melhor horário para frequentarem, de acordo com a demanda da escola. Além das aulas, há também o oferecimento de cursos complementares com temas variados, como mercado de trabalho, atividades políticas, manipulação de alimentos, até mesmo dança e balé. Dany, que nasceu no Amazonas, se inscreveu no programa no ano passado, mas não conseguiu participar por conta das dificuldades financeiras e seus dois filhos. Ela, que foi a primeira a sair da prova, entrou para o módulo 3, ensino fundamental 2. “O programa é muito importante para nós que somos rejeitados. Quanto mais educação, quanto mais cursos, melhor. Depois de terminar aqui, pretendo me formar no curso de enfermagem”, conclui Dany.

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

fotografia de quadra poliesportiva Coberta

Prefeitura de SP anuncia cobertura de 95 quadras poliesportivas na rede municipal

Publicado em: 12/01/2022 11h14 - em Secretaria Municipal de Educação

Apresentação teatral na abertura do Recreio nas Férias.

“Recreio nas Férias” começa nesta segunda-feira com protocolo contra contaminação do Covid

Publicado em: 10/01/2022 2h47 - em Secretaria Municipal de Educação

foto de professora na sala de leitura, dois estudantes olham atentamento para ela. Todos usam máscaras

SME divulga classificação prévia dos interessados na contratação temporária

Publicado em: 07/01/2022 9h47 - em Diretoria Regional de Educação Butantã

Em cima, os dizeres: Gratificação de difícil Acesso. No meio: desenho de um mapa, com um localização ao centro, destacada por um pin

Gratificação de Difícil Acesso: saiba como identificar o distrito da sua escola

Publicado em: 06/01/2022 5h17 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia de uma sala de aula com um professor usando máscara de proteção individual e estudantes sentados em suas cadeiras.
1 2 3 4 1.211