Notícias

Arte Ndebele no CIEJA Vila Maria

Projeto estimula autonomia e reflexão sobre as relações étnico-raciais por meio de atividades artísticas

Publicado em: 17/06/2016 12h33 | Atualizado em: 04/05/2021
arte_Ndebele_CIEJA_Vila_Maria_740_x_430.jpg
No Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos (CIEJA) Vila Maria, da Diretoria Regional de Educação (DRE) Jaçanã / Tremembé, alunos com deficiência são incentivados a refletirem sobre as relações étnico-raciais e indígenas por meio de atividades artísticas em suas atividades escolares.

A ação é desenvolvida com os jovens e adultos com deficiência que participam de atividades na Sala de Apoio e Atendimento à Inclusão (SAAI) do CIEJA, com a professora Graziela Dias, pedagoga e Especialista em Educação Especial. A proposta está em acordo com as Leis 10.639/03 e 11.645/08 que dispõem, respectivamente, sobre a obrigatoriedade das temáticas “História e Cultura Afro-Brasileira” e “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena” no currículo oficial do Ensino Fundamental e Médio das escolas nacionais.

A partir de pesquisas e do envolvimento dos alunos com outras culturas, escolheram trabalhar com um elemento da cultura da tribo Ndebele – pequeno povoado localizado na África do Sul, que ancestralmente desenvolve grafismos simétricos, com padrões multicoloridos que são estampados nas paredes das casas. Esta arte é desenvolvida prioritariamente pelas mulheres da tribo.

A professora conta que apesar dos estudos evidenciarem que a estrutura social da tribo Ndebele é patriarcal a herança artística dos grafismos é passada de mãe para filha. Nas aulas, após um pouco de recusa dos garotos da turma e momento de discussão, os alunos entenderam que a atividade não deveria ser limitada apenas às mulheres e que todos poderiam produzir seus próprios grafismos.

03_arte_Ndebele_740_x_430.jpg

Após a compreensão da proposta, a produção iniciou com a pesquisa dos grafismos na internet para repertoriar os alunos. Em seguida foi feita a seleção de materiais. “Sabemos que os grafismos são executados à mão livre, contudo, optamos por iniciar nosso trabalho empregando moldes em respeito a alguns alunos com deficiência que apresentam algumas dificuldades”, disse a professora Graziela, que ressaltou o grande desafio que é para alguns alinhar as folhas, moldes, mesmo segurados por clipes.

A atividade seguiu com a pintura dos grafismos, a escolha das cores das tintas foi livre. Os alunos foram orientados a lavarem seus próprios pinceis a cada troca de tinta. “A ação estimula autonomia, auxilia em nosso processo de ensino/ aprendizagem e atividades da vida diária, respeitando o currículo funcional”, diz a professora.

Incentivo a autonomia – Concluída a etapa dos grafismos, seguiram para a segunda parte da atividade. Os alunos foram fotografados e a imagem de cada um foi impressa na secretaria da escola. Também como parte da proposta eles tiveram que se encaminhar até a impressora e solicitar sua fotografia, sem auxílio. “Alguns não conheciam a secretaria da escola. Os mais tímidos ou envergonhados se superaram ao entrar em contato com os funcionários para pedir sua foto, outros se perderam pelo meio do caminho, mas foram procurados por seus pares. Enfim, após ‘ires e vires’, todos se encontraram”, comemorou Graziela.

arte_Ndebele_CIEJA_Vila_Maria_II_740_x_430.jpg

As imagens foram plastificadas com cola e penduradas para secar. Em seguida cada rosto foi enfeitado com adornos africanos, como turbantes, gorros, brincos e colares. A elaboração e a colocação dos acessórios aconteceu de forma colaborativa. “Escolhemos tecido, e materiais que os comporiam, como também a forma e a disposição. Ao final todos foram convidados a assinar as obras de arte, o que, para alguns, também é um desafio”, explicou a professora.

O Assistente Pedagógico do CIEJA, Marcos Peter Pinheiro Eça, relata que as salas possuem em média 20 alunos, alguns com múltiplas deficiências, e que o fato das atividades despertarem a colaboratividade reforçam também a necessidade da autonomia. “Apesar de parecer simples, o projeto estimulou muitas habilidades. Todos conseguiram colocar a sua marca e assinar o próprio nome nas produções e isso já é um grande avanço”, completa Marcos.

Confira a galeria de imagens. 

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Crianças e professora de Educação Infantil em sala de aula.
Professora de Educação Infantil sentada no chão da sala com cinco bebês sentados a sua volta brincando.

SME faz nova convocação de aprovados em concurso

Publicado em: 22/09/2022 5h07 - em Secretaria Municipal de Educação

Imagem com o fundo em mosaico colorido em tons de lilás, azul e verde, onde se lê
Imagem com fundo azul, três faixas no canto esquerdo nas cores rosa, azul e verde, no centro está escrito IV EducaPenha.

DRE Penha realiza IV EducaPenha

Publicado em: 21/09/2022 6h59 - em Diretoria Regional de Educação Penha

Fotografia mostra pessoas sentadas em cadeiras de auditório. Elas estão olhando para frente, para o palco, onde há um homem de pé, segurando um microfone, que está falando enquanto olha para uma apresentação de slide, onde se lê: “Será que eu fiz certo?” na cor vermelha. Abaixo contém o texto: “Na dúvida, pergunte, consulte os colegas, os estudantes. Estude, retome a teoria. Refaça, volte ao começo. E faça outra vez. A prática é fundamental para o desenvolvimento, evolução”, que está escrito na cor preta.
1 2 3 4 1.284