Notícias

SME e Metodista se unem para criar ‘Revista Imprensa Jovem’

Estudantes e professores do Imprensa Jovem e do curso de Jornalismo trabalham em cooperação; revista digital é voltada para jovens de todo país

Publicado em: 16/07/2021 11h51 | Atualizado em: 16/07/2021
Imagem mostra parte da capa da Revista Imprensa Jovem - Uma ação Educom - Metodista - Junho 2021

O Núcleo de Educomunicação, da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, e a Universidade Metodista de São Paulo se uniram em apoio aos estudantes para desenvolver o projeto de comunicação “Revista Imprensa Jovem”. Na ação, estudantes mediadores dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e seus professores do Projeto Agência de Notícias Imprensa Jovem e do terceiro semestre do curso de Jornalismo da Universidade Metodista trabalham em cooperação. A publicação digital está em sua primeira edição.

A Revista Imprensa Jovem é aberta a estudantes de todas as séries, de escolas públicas e particulares do país. Além disso, ela utiliza linguagens diversificadas como áudio, foto, vídeo, texto, entre outros.

Nesta edição entre as pautas abordadas estão o programa da SME-SP “Nas Ondas do Rádio”; o grafite como arte que transforma vidas; a cultura maker (“faça você mesmo”) nas escolas municipais e o desenvolvimento dessas práticas com a utilização de impressoras 3D e kits de robótica; o contexto da pandemia que influenciou as aulas de Educação Física, trouxe os desafios do ensino híbrido e o ENEM em época de Covid-19, videoperformance nas escolas e a história em quadrinhos “Jovenilda”.

Este projeto é uma oportunidade de aprendizado sobre comunicação para todos os envolvidos. A estudante Giulia Guimarães Dantas, 14 anos, da EMEF Antônio Estanislau do Amaral, comenta: “Eu adorei participar do processo da revista, me deu um maior entendimento sobre a construção dela e adorei contribuir. Vou levar para a vida tudo o que aprendi nesse projeto. Agradeço muito pela oportunidade!”

Em fevereiro de 2021, teve início o processo de produção colaborativa do material. Tudo foi construído de forma conjunta, desde a apresentação e discussão da pauta, a diagramação, o processo de apuração das informações, escrita e edição do texto até a escolha das imagens. As atividades foram supervisionadas pelos professores da universidade.

Para Carlos Lima, professor e coordenador do Núcleo de Educomunicação, da SME-SP, a revista era um sonho antigo e um recurso para mostrar a voz do estudante. “Nossos jovens têm muito a dizer. Ler uma publicação assim é uma forma de entender como eles enxergam o mundo. E isso é muito legal”, afirma. Ele e a jornalista e professora da Universidade Metodista, Camila Escudero, coordenaram a revista.

“Nosso objetivo principal era fazer com que os alunos da rede e da universidade aprendessem uns com os outros. Os universitários conhecessem a realidade dos adolescentes e professores da rede que, por sua vez, entrassem no mundo do fazer jornalístico. Foi um trabalho no qual todos aprenderam, inclusive os docentes envolvidos”, comentou Camila.

Já para o coordenador do curso de Jornalismo, Eduardo Grossi, “Tanto a escola como a universidade não podem ter muros. Somos todos uma mesma sociedade, onde o processo de aprendizado é constante para o desenvolvimento de todos, seja aprendizado acadêmico, seja para a vida”.

Clique aqui e leia a Revista Imprensa Jovem.

O nome da revista

A escolha do nome da revista também foi realizada de forma colaborativa.  Estudantes e professores que realizam o projeto fizeram sugestões de nomes e o resultado final foi obtido por meio de votação presencial e online, na plataforma Google Forms. Entre os nomes indicados estavam “Imprensa Jovem” – o vencedor, “É Nóis”, “Jovem.com” e “Meta Jovem”. No total, a votação teve a contribuição 63 participantes.

O que as nossas estudantes pensam sobre o projeto

“Foi muito gratificante participar da construção da Revista, pois foi algo novo. Me ensinou muitas coisas e fez pensarmos em novos projetos. Eu penso que além de trazer o ponto de vista dos alunos, traz uma revista para todos e foi muito intenso e gratificante.” Emilly Layanne C. Rodrigues, 12 anos, EMEF Professor Mailson Delane.

“Foi uma honra participar desse projeto tão incrível e desenvolver novos aprendizados. Cada momento foi único e fico extremamente grata por ter tido o apoio de todos principalmente da minha professora Christiane Martins. Foi algo muito prazeroso e divertido. Guardarei esse projeto no meu coração e farei dele uma oportunidade de crescimento!” Steffany Sousa Silva, 13 anos, EMEF Antônio Estanislau do Amaral.

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Estudantes sentados em volta de uma mesa produzindo com sacolinhas plásticas uma releitura da obra Abaporu de Tarsila do Amaral.
Professor Paulo veste blusa vermelha e caminha entre dois alunos sendo uma menina com blusa rosa e calça jeans à sua direita e um menino de camiseta e bermuda preta à esquerda. Eles andam em um corredor estreito do bairro da Liberdade olhando para os imóveis. Uma das casas tem paredes brancas e a outra colorida com a pintura de uma menina negra.

Professor da rede municipal de SP concorre como Educador do Ano

Publicado em: 09/06/2022 3h53 - em Diretoria Regional de Educação Ipiranga

fotografia de duas mãos digitando em um notebook. Imagem com logomarca da UFABC e da UNICEUUfabc

7 polos da UniCEU estão com a inscrições abertas para Cursos de Especialização gratuitos 

Publicado em: 07/06/2022 4h59 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia mostra 10 crianças a frente de uma obra da exposição.

CEU Navegantes faz visita à ‘Bienal do Lixo’

Publicado em: 07/06/2022 2h55 - em Secretaria Municipal de Educação

Arte com grafismos indígenas nas cores marrom, rosê e marsala. O texto diz

CIEJA Campo Limpo promove “VIII Encontro Indígena – Cultura, Lutas e Resistência”

Publicado em: 06/06/2022 5h50 - em Secretaria Municipal de Educação

1 3 4 5 6 7 1.248