Notícias

Professores desenvolvem sensor para estudante da EMEF Ayrton Oliveira Sampaio

Aparelho instalado em cadeira de rodas emite ondas e avisa a proximidade de obstáculos

Publicado em: 18/07/2017 14h45 | Atualizado em: 30/11/2020

sensor_cadeira_740_x_430.jpg

“A robótica pode ajudar a minha vida”, escreve, em uma carta, Cinthia Leite, estudante da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Prof. Ayrton Oliveira Sampaio, da Diretoria Regional de Educação (DRE) Capela do Socorro, na época com 12 anos, cadeirante e com paralisia cerebral. Era o ano de 2015. “A vida de uma pessoa que precisa de cadeira de rodas é difícil”, continua.

Na carta elaborada por Cinthia a pedido do Professor Orientador de Informática Educativa, Davi Aguiar, e da Professora de Apoio e Acompanhamento à Inclusão, Ana Paula, ela relata também a dificuldade de se locomover na escola sem esbarrar nos colegas e paredes. “Como a robótica poderia ajudar a Cinthia no dia-a-dia, já que ela se interessa bastante pelo tema?”, se perguntaram os professores.

Eles decidiram criar um sensor para a cadeira de rodas de Cinthia. Passaram a estudar ainda mais questões de mecânica, robótica e programação e envolveram a estudante no projeto. “Nas aulas de robótica, ensinamos a ela as partes que compõem a cadeira de rodas. Trabalhamos também a questão da programação, para que o sensor pudesse detectar os objetos e avisá-la”, diz Davi.

A coordenação e a direção da escola investiram no projeto e viabilizaram os materiais necessários, incluindo uma placa de software livre e sensores ultrassônicos de presença.

A programação criada na placa, junto com o sensor, permite a disparada de um sinal sonoro e luminoso para avisar Cínthia da proximidade de objetos. O desenvolvimento do projeto foi realizado primeiro em um protótipo de cadeira de rodas. Depois, foi passado para a da estudante. Na época, o estagiário de robótica Clodoaldo Silva ajudou no processo e auxiliou os professores.

“Para a nossa realidade, foi algo inovador, com excelentes resultados não só na finalização do projeto, mas com o desenvolvimento intelectual da estudante durante o processo”, conta a professora Ana.

A estudante, hoje, tem 14 anos de idade e está no ensino médio. O projeto foi finalizado em outubro de 2016, com a implantação do sensor na cadeira de rodas.

Confira o vídeo dos testes: 

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Fotografia mostra seis pessoas em pé e uma sentada. A pessoa sentada é uma mulher, veste camiseta preta e está com os braços cruzados sobre a mesa. Ao seu lado esquerdo, há uma repórter, ela veste a camisa laranja da

Estudantes surdos produzem reportagens em vídeo em Libras pelo Imprensa Jovem no CIEJA Perus I

Publicado em: 13/05/2022 12h03 - em Diretoria Regional de Educação Pirituba

foto de uma sala com bebês, o chão é forrado com placas coloridas de emborrachado e alguns almofadões. Alguns bebês olham para a câmera. Ao fundo, Duas mulheres interagindo com eles

SME faz nova convocação de aprovados em concurso em diversos cargos

Publicado em: 13/05/2022 10h25 - em Secretaria Municipal de Educação

fotografia de parque de uma escola com os muros Grafitados

EMEI da periferia da zona sul tem seus muros e paredes grafitados por 25 artistas

Publicado em: 11/05/2022 10h53 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia mostra a frente do CECI Tenondé Porã
Estudante de camiseta azul, máscara preta, está escrevendo com um lápis em um caderno.

Inscrições para o Enem 2022 estão abertas e podem ser feitas até 21 de maio

Publicado em: 10/05/2022 12h20 - em Secretaria Municipal de Educação

1 2 3 4 1.237