Notícias

“Mulheres de fibra, cada fio da história faz a fibra que nos forma!”

Projeto realizado no CIEJA Santana/Tucuruvi visa relembrar o valor e força do empoderamento às professoras e alunas da unidade

Publicado em: 18/02/2019 15h45 | Atualizado em: 30/11/2020

MULHERES_FIBRA_740x430.jpg

“Dar voz é dar a oportunidade de ser você mesmo dentro da sociedade”, diz a professora Gladis Barbosa

A professora Gladis Cassapian Barbosa, do Centro Integrado de Educação de Jovens e Adolescentes (CIEJA) Santana/Tucuruvi, recebeu o 2º lugar do Prêmio Paulo Freire com o projeto “Mulheres de fibra, cada fio da história faz a fibra que nos forma!”, que trabalhou o gênero da autobiografia com o objetivo de promover a conscientização sobre o valor e força do empoderamento de professoras e estudantes, bem como das mulheres próximas aos alunos, por meio do estudo de temas relacionados ao assunto. “A ideia foi atingir a todos da sala de aula, tanto homens quanto mulheres, relembrando a força que cada mulher tem e a sua importância dentro da sociedade”, diz Gladis.

As atividades consistiram em leituras e estudo das biografias de mulheres que de alguma forma revolucionaram as suas histórias, como Malala, Carolina de Jesus e Maria da Penha. Paralelamente, os alunos puderam escrever as suas próprias histórias, iniciando o trabalho de autobiografias. Durante todo o projeto, eles também puderam participar de um sarau sobre o assunto “ser mulher” e de oficina de beleza, construção de bonecas abayomi e rodas de discussões, entre outras ações que procuraram retratar as histórias e a luta das mulheres tanto no passado quanto no futuro, trazendo uma reflexão sobre o papel da mulher e as suas diversidades.

A professora desenvolvedora do projeto ressaltou o quão importante foi poder contar com a parceria da equipe docente da unidade e dos estudantes. Exemplo disso foram as atividades de pesquisa, onde a parceria com a Profª Larissa Patrício, da sala de informática, foi fundamental para que os alunos concluíssem as atividades, bem como com a Profª Susen Covre, da sala de recursos, que junto com os docentes da unidade fez um levantamento das informações pessoais dos alunos com deficiência, a partir dos seus prontuários. Em seguida, as professoras Gladis e Susen narraram a estes alunos as informações colhidas e os ajudaram a escrevê-las, respeitando a necessidade de cada um. Assim, os alunos com deficiência também puderam desenvolver as suas autobiografias.

Com o projeto finalizado, ainda se vê grande repercussão na vida daqueles que participaram. “Nota-se que as alunas se sentem mais a vontade para compartilhar as suas experiências e se impor diante de determinados assuntos quando necessário. Já os alunos mudaram não só o comportamento dentro das salas de aulas com as alunas e professoras, mas também começaram a enxergar de maneira mais igualitária as mulheres que passam pelas suas vidas, respeitando e dando a liberdade que elas merecem”, observa Gladis.

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Jornada Pedagógica
Fotografia de professor escrevendo em lousa escolar

Sisu do 2º semestre do ano está com as inscrições abertas

Publicado em: 28/06/2022 3h28 - em Secretaria Municipal de Educação

Parlamento Jovem

SME lança Programa de Gestão Documental em parceria com Secretaria de Gestão

Publicado em: 24/06/2022 4h58 - em Secretaria Municipal de Educação

Esquenta Ods

CEUs de São Paulo fazem esquenta para a Virada ODS

Publicado em: 24/06/2022 4h44 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia mostra carreta do projeto USP Na comunidade com algumas pessoas em volta.

CEU Heliópolis recebe unidades móveis da USP com programação para idosos

Publicado em: 24/06/2022 4h40 - em Secretaria Municipal de Educação

1 2 3 1.249