Notícias

Imprensa Jovem mirim do Tamandaré realiza projeto sobre imigrantes

Alunos do terceiro ao quinto ano criam série de entrevistas com imigrantes que residem na Vila Maria.

Publicado em: 02/05/2018 16h44 | Atualizado em: 30/11/2020

tca_travessas_ocultas_740x430.jpg

Por Imprensa Jovem Rádio Calafrio

Eles têm entre sete e dez anos e, diferentemente da outra equipe que já tem anos de estrada, eles estão há apenas dois meses no Projeto Imprensa Jovem, mas já sabem a responsabilidade que têm quando o assunto é entrevistar alguém.

Foi com isso em mente que os alunos do Projeto Imprensa Jovem mirim da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Almirante Tamandaré (Diretoria Regional de Educação (DRE) Jaçanã/Tremembé), localizada no bairro da Vila Maria Alta, começaram o Projeto São Paulo de todos os povos. A iniciativa estimula a prática jornalística e audiovisual por meio de entrevistas com imigrantes locais e promove a interculturalidade, a integração e a convivência entre as pessoas.

Sob orientação da professora Ludmilla Mignaco, o Projeto Imprensa Jovem Rádio Calafrio da EMEF Almirante Tamandaré já existe há cinco anos e busca criar uma cultura de paz dentro da escola, promovendo o combate a qualquer forma de discriminação e preconceito. “O ‘Projeto São Paulo de todos os povos’ acompanha a realidade mundial e os impactos nos países que recebem esses imigrantes. Se no início do século XX tivemos a vinda de italianos e alemães para o Brasil, hoje a situação é bem diferente. São imigrantes da América do Sul como bolivianos, venezuelanos, paraguaios, peruanos e de outras regiões como a Síria, Haiti e Angola. É importante criar uma relação harmoniosa e acolhedora e, ao mesmo tempo, mostrar os motivos que levam famílias inteiras a deixar suas casas, famílias e amigos. São Paulo é uma das cidades mais multiculturais do mundo e essa realidade está presente dentro da escola”, explicou a professora.

A primeira entrevista dos jovens repórteres foi com a boliviana Virgínia Mancilla Mamani que mora no Brasil há oito anos, no bairro da Vila Medeiros, em São Paulo. Nascida em La Paz, Virgínia comentou sobre a dificuldade quando chegou ao Brasil, principalmente com a língua e costumes e sobre as diferenças culturais entre os dois países vizinhos. “Vim para o Brasil, para São Paulo, com apenas 22 anos e nem costurar sabia, nem cortar uma peça. Foi muito difícil no começo, fui aprendendo o idioma, na Bolívia falamos três idiomas, o quéchua, o aimará e o castelhano. Sentia muita falta da minha família e da Bolívia. Eu trabalho com costura em casa das 7h até quase 23h, só paro para limpar a casa e cozinhar para minha família. Precisamos trabalhar para cuidar dos nossos filhos. Na Bolívia a situação estava muito difícil. Gosto muito aqui do Brasil, mas penso em voltar um dia para meu país”, contou Virgínia.

Questionada sobre a música e ritmos bolivianos, Virgínia contou que há muitos grupos e danças folclóricas na Bolívia. “Eu gosto muito de um grupo chamado Proyeccion de Cochabamba e dos Los Kjarkas, banda tradicional de música andina. Das danças, gosto da Saya Afroboliviana, Morenada e Moceñada”, revelou a entrevistada.

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

fotografia mostra uma mão infantil sendo auxiliada pela mão de um adulto

Bolsas de estágio têm aumento de 30% e SME possui 4 mil vagas para contratação

Publicado em: 12/01/2022 2h50 - em Secretaria Municipal de Educação

fotografia de quadra poliesportiva Coberta

Prefeitura de SP anuncia cobertura de 95 quadras poliesportivas na rede municipal

Publicado em: 12/01/2022 11h14 - em Secretaria Municipal de Educação

Apresentação teatral na abertura do Recreio nas Férias.

“Recreio nas Férias” começa nesta segunda-feira com protocolo contra contaminação do Covid

Publicado em: 10/01/2022 2h47 - em Secretaria Municipal de Educação

foto de professora na sala de leitura, dois estudantes olham atentamento para ela. Todos usam máscaras

SME divulga classificação prévia dos interessados na contratação temporária

Publicado em: 07/01/2022 9h47 - em Diretoria Regional de Educação Butantã

Em cima, os dizeres: Gratificação de difícil Acesso. No meio: desenho de um mapa, com um localização ao centro, destacada por um pin

Gratificação de Difícil Acesso: saiba como identificar o distrito da sua escola

Publicado em: 06/01/2022 5h17 - em Secretaria Municipal de Educação

1 2 3 4 5 1.212