Notícias

Estudantes criam histórias e fazem mesa de autógrafo para receber familiares

Cerca de 100 estudantes dos 3ºs anos da EMEF Olavo Fontoura participaram do projeto “Pequenos Escritores”

Publicado em: 23/10/2023 14h20 | Atualizado em: 23/10/2023
Fotografia de uma folha de papel branca com letras recortadas onde se lê "A família que morou dentro de um sapato" e as mãos de uma criança.

“Era uma vez uma velhinha que morava dentro de um sapato. Ela tinha tantos filhos que ela pensava quantos filhos ela tinha: – Eu tenho doze filhos. Que nada eu tenho quarenta e dois, não eu tenho vinte e quatro”. É assim que começa o livro escrito por Davi Teixeira Bueno, do 3º Ano B. Leia aqui a história completa em sua versão digital. E uma dica: faça isso com um fone de ouvido, pois irá escutar o som do folhear das páginas.  

Esta é uma das 100 histórias criadas por estudantes dos 3°s anos, da EMEF Olavo Fontoura que participaram do projeto “Pequenos Escritores”, em que cada aluno teve oportunidade de escrever seu próprio livro e desenhar suas ilustrações. A apresentação do resultado final do projeto ocorreu no último sábado (21). As crianças tiveram um momento de mesa de autógrafos e as famílias ficaram emocionadas com o resultado de todo trabalho. 

Produção dos livros

Cada sala optou por uma forma de trabalhar o projeto. Uma turma fez a leitura de “A melhor família do mundo”, de Suzana Lópes, e após debate escreveram sobre si e suas famílias, além de produzirem as ilustrações para o livro coletivo do 3º A. Outra fez a reescrita do texto “A família que morou dentro de um sapato”, de Jéssica Iancoski, e assim surgiram as inúmeras versões do 3º B, como a que lemos no início da matéria. 

Também teve o reconto de “A grande fábrica de palavras”, de Agnès de Lestrade, feitos pelo 3º C. E, ainda, no 3º D levantaram memórias pessoais e com a ajuda da família foram “tecendo” sua própria colcha de retalhos, além dos registros escritos, já que que fizeram a leitura de “Colcha de retalhos”, de Nye Ribeiro da Silva. 

A forma para registrar as criações também variaram entre escrita de próprio punho e digitação, utilizando recursos do Laboratório de Educação Digital. Além disso, ao compartilharem seus livros com os colegas e familiares, as crianças desenvolvem habilidades de expressão oral e a capacidade de apresentar suas criações de maneira articulada e confiante.

Com o projeto, as crianças usaram a imaginação e a criatividade, exploraram diferentes técnicas de desenho, expressaram suas ideias, tiveram a oportunidade de avançar em suas habilidades de comunicação, entre outras.       

Notícias Mais Recentes

1 2 3 1.461