Notícias

EMEI Ovídio Decroly promove ações e envolve familiares e comunidade

Unidade localizada no extremo da Zona Leste abre suas portas e propõe espaços de participação efetiva

Publicado em: 11/12/2018 13h44 | Atualizado em: 30/11/2020

OVIDIO_1_740x430.jpg

A participação das famílias e o envolvimento da comunidade foi um dos focos da Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Ovídio Decroly, da Diretoria Regional de Educação (DRE) São Miguel, neste ano de 2018. No início do ano, a equipe identificou em seu Projeto Político-Pedagógico o quanto as relações e a parceria com as famílias poderia potencializar o trabalho desenvolvido pela escola e tornar mais rica e produtiva as ações e os resultados esperados. Então, hora de sentar e planejar, a escola abriu as portas para a comunidade e propôs espaços de participação efetiva.

Foram organizados encontros em um ciclo de atividades voltadas para as crianças juntamente com as famílias e outros momentos com o objetivo de alcançar demandas dos pais. Em alguns sábados, a escola cedeu o espaço para aulas de zumba, oferecidas voluntariamente pela professora Juliana Cordeiro. “Estou muito grata pela oportunidade de participar juntamente com as crianças, pais e comunidade. Pude compartilhar um pouco de alegria, como voluntária, ministrando aulas de zumba e adquiri uma experiência incrível com essa iniciativa”, relata Juliana.

OVIDIO_2_740x430.jpg

Também foram realizadas sessões de cinema, palestra sobre a cultura africana com o professor Emannuel, contação de história e oficina de confecção de bonecas com a educadora Rosemary Sampaio. Outra ação pensada foram os encontros de mediação de conflitos, fundamentais para a reflexão sobre a organização e a rotina da escola, em uma perspectiva de respeito, autonomia e gestão democrática. Essas reflexões desencadearam em encontros e rodas de conversa envolvendo a temática de educação dos filhos, ética, convivência e senso de coletividade. Os psicólogos Éverton e Juliana também se dispuseram voluntariamente a participar desses encontros com as famílias.

“Quando fomos perguntados sobre ‘o que seu filho precisava para ser feliz’, fiquei desesperada ouvindo os relatos de outros pais. Com a conversa com os psicólogos, percebi que o problema não era só da minha filha, ela estava refletindo o modo como eu a tratava quando ela fazia coisas que eu não gostava. Aprendi a respeitar as frustações dela, a me controlar mais nos momentos de conflito e de lá pra cá as coisas melhoraram muito”, afirma Carla Ferreira, mãe da Bárbara.

Notícias Mais Recentes

1 2 3 1.213