Notícias

DRE Penha realiza a “IV Mostra Cultural Novembro Negro”

Evento teve palestra, apresentação cultural e oficina de danças e brincadeiras de influência africana

Publicado em: 22/11/2017 17h04 | Atualizado em: 30/11/2020

IV_Mostra_Novembro_Negro_740_x_430.jpg

No dia 16 de novembro, aconteceu a “IV Mostra Cultural Novembro Negro”. O evento, que ocorreu na Biblioteca Municipal Hans Christian Andersen, foi promovido pela Divisão Pedagógica (DIPED) da Diretoria Regional de Educação (DRE) Penha.

A programação do dia teve início com as palavras das organizadoras do evento e membros do DIPED, Thalita Garcia Lopes e Alessandra Ribeiro Teixeira, e da diretora do setor, Eliana Souza da Silva Benedetti, que em sua fala afirmou que a escola é um lugar que possibilita o exercício da cidadania para crianças, jovens e adultos.

Além disso, Eliana citou o sociólogo, antropólogo e escritor Darcy Ribeiro. “Ele afirmava que a possibilidade de uma democracia racial está vinculada com a prática de uma democracia social, onde negros e brancos partilhem das mesmas oportunidades sem qualquer forma de desigualdade”, afirmou.

Em seguida, Ramatis Jacino, professor de Bacharelado em Ciências Econômicas da Universidade Federal do ABC e Mestre e Doutor em História Econômica pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), realizou a palestra “De Escravizado a Marginalizado: as práticas racistas na construção da República do Brasil”. O professor apresentou uma linha do tempo contextualizando a construção e naturalização do racismo ao longo dos séculos no mundo e a consequente marginalização da população negra no Brasil.

“Eu acredito que a discriminação precisa ser superada pela lei, com legislação e ações. Agora, o racismo não tem como combater com a lei, ele está dentro da cabeça das pessoas. A gente só o combate com a educação. É nesse sentido que acho que nós, educadores e educadoras, temos um papel fundamental para combater esse racismo. Nós podemos formar novas e mesmo algumas das atuais gerações que possam realmente ter uma visão de que todos são iguais e de que as pessoas não devem ser diferenciadas de acordo com a cor da pele”, declarou Ramatis Jacino.

Posteriormente, o Coletivo Agô Performances Negras realizou a apresentação cultural “Banzo”. Por meio de interação com o público, os atores fizeram uso da contação de história para gerar a conscientização, reflexão e o diálogo acerca de temas como as raízes da história e da cultura africana, a escravidão e o racismo estrutural.

O evento foi finalizado com a “Oficina de dança circular com brincadeiras cantadas de influência africana e músicas da cultura infantil”, ministrada por Zeneide Alves, Pedagoga, Pós-graduada em Capacitação Docente em Música Brasileira pela Universidade Anhembi Morumbi e linguagem das Artes pela Universidade de São Paulo (USP). Os inscritos aprenderam novas expressões, dialetos, brincadeiras e danças de roda advindas da cultura africana, tais como “Aya po logre”, “Ayele” de Gana, “Puxa Corrente”, “Dança do café”, entre outras.

Acesse aqui a galeria da IV Mostra Cultural Novembro Negro

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Imagem mostra três meninos brincando em um brinquedo inflável e sendo molhados por um jato de água.
Estudante é vacinada em escola municipal

Saúde inicia vacinação de adolescentes em escolas da rede pública de SP

Publicado em: 25/11/2021 5h23 - em Secretaria Municipal de Educação

Estudantes e professores em atividade na EMEF Amorim Lima

Estudantes da EMEF Amorim Lima realizam exposição sobre poluição luminosa

Publicado em: 24/11/2021 4h32 - em Secretaria Municipal de Educação

Professora de ensino fundamental em sala de aula

SME vai contratar 6.889 professores para diversas funções

Publicado em: 24/11/2021 2h15 - em Secretaria Municipal de Educação

banner de divulgação da VI Jornada Pedagógica

Profissionais da Educação Infantil participam da VI Jornada Pedagógica

Publicado em: 24/11/2021 11h39 - em Secretaria Municipal de Educação

1 2 3 1.210