Notícias

Busca ativa e baixa rotatividade de profissionais são presentes em escolas da Rede Municipal com bom desempenho no Ideb 2021

EMEFs José Carlos de Figueiredo Ferraz e Amadeu Amaral bateram as metas projetadas para os anos iniciais

Publicado em: 19/10/2022 18h37 | Atualizado em: 19/10/2022

Emef Carlos De Figueiredo Ferraz

Duas escolas da Rede Municipal – EMEFs Jose Carlos de Figueiredo Ferraz e EMEF Amadeu Amaral  – conseguiram bater as metas do Ideb 2021 projetadas para os anos iniciais do Ensino Fundamental, mesmo com as complicações causadas pela pandemia e necessidade das aulas remotas. O Índice de Desenvolvimento da Educação Brasileira (Ideb) 2022, divulgado pelo Inep no dia 16 de setembro, é o grande indicador de qualidade da educação brasileira. 

A EMEF Jose Carlos de Figueiredo Ferraz tinha uma média projetada 6,6 e conseguiu alcançar 6,8, enquanto a EMEF Amadeu Amaral esperava alcançar 5,7 e obteve um valor surpreendente de 6,6.

O sucesso no trabalho durante o ensino remoto é fruto de um trabalho intenso realizado há anos em ambas as escolas. O resultado foi a entrada de praticamente todos os alunos alfabetizados no ciclo interdisciplinar no início do ano letivo de 2021. 

Confira, abaixo, algumas ações que permitiram que as escolas conquistassem bons indicadores: 

Pandemia: Tecnologias e busca ativa

Os professores e agentes escolares das duas EMEFs fizeram um trabalho que aliava a tecnologia ao ensino de qualidade no ano de 2020 e em parte de 2021. Durante a pandemia e com as aulas todas remotas, os principais desafios eram manter o aluno focado e combater a evasão escolar.

Os professores perceberam que lives interativas eram essenciais para manter os alunos dos anos iniciais do ensino fundamental centrados. No começo de 2021, quando o ensino presencial passou por um período de “rodízio”, que parte dos alunos tinham aulas presenciais e parte em aulas remotas, os professores decidiram realizar aulas simultâneas. 

Os professores conseguiam interagir com os alunos que estavam em casa, eles se sentiam presentes, mesmo estando longe” afirma a diretora da EMEF Jose Carlos de Figueiredo Ferraz, Carla Bertolini.

Outro foco durante a pandemia foi a busca ativa e contato frequente com os pais. “Os pais estavam sempre cientes do que era passado para o filho e quando as tarefas eram entregues com atraso, nós tentamos entrar em contato com o responsável o quanto antes.” Aponta a coordenadora pedagógica da EMEF Amadeu Amaral, Marta Catalani.

Além disso, também existiu um trabalho de ajuda com as novas tecnologias e os pais e responsáveis foram auxiliados em como utilizar as plataformas de ensino remoto.

Apoio da DRE e SME

O apoio da SME foi um ponto de destaque para ambas as escolas nos últimos anos, seja por uma presença da Diretoria Regional com visitas do NAAPA – , ou pela própria secretaria, com o Programa de Transferência de Recursos Financeiros e o envio de materiais pedagógicos.

A SME, por meio da Coordenadoria Pedagógica, enviou para os estudantes, durante a pandemia, a coleção “Trilhas de Aprendizagem – Volume 1 e 2”. Durante a retomada das aulas presenciais, a SME também disponibilizou uma coleção com 12 cadernos de Priorização Curricular no Currículo da Cidade com o objetivo de auxiliar na retomada das aulas presenciais. Confira os cadernos.

Baixa rotatividade

A baixa rotatividade dos profissionais foi um ponto central que influenciou a qualidade do ensino nestas unidades. A maior parte dos professores das escolas citadas estão na unidade há pelo menos 5 anos. 

A presença de profissionais experientes permite que práticas presentes em toda a rede, como o foco na alfabetização até o terceiro ano do ensino fundamental e as atividades de recuperação paralela, possam ser feitas de uma forma mais eficiente. 

O professor Caio Marques Fernandes, foi aluno na EMEF Amadeu Amaral, e a mais de 10 anos leciona na unidade que passou a infância. Para ele, a presença de um rosto familiar para os alunos é algo essencial para o aprendizado. “O aluno cria um vínculo com o professor e o espaço da escola, desta maneira nós conseguimos trabalhar melhor com o currículo da cidade. O professor que faz questão de ficar cria uma visão de pertencimento por parte dos estudantes, que veem no ambiente escolar como parte importante na comunidade”, afirma.

A SME instituiu, em agosto deste ano, uma gratificação de até R $1.500 para escolas com rotatividade elevada. A ideia é garantir o vínculo dos profissionais com a escola.

O trabalho nas EMEFs se estende ao ambiente tradicional das salas de aula e compõe uma ampla gama de atividades, que incluem Aulas de libras, Aulas de música, Clube de leitura, Fortalecimento das aprendizagens, Grêmio Estudantil, Hortas pedagógicas, Orientação de Estudos de Matemática e Robótica Criativa.

Emef Amadeu Amaral
Muro da EMEF Amadeu Amaral

Notícias Mais Recentes

Relacionadas

Fotografia de uma estudante negra, ela está concentrada escrevendo no livro sobre sua mesa.

Está aberto período de inscrição para estudantes do Ensino Fundamental e Médio

Publicado em: 05/12/2022 12h43 - em Secretaria Municipal de Educação

Fotografia de estudantes correndo em aralimpíada

Estudantes da Rede Municipal são destaque nas Paralímpiadas Escolares 2022

Publicado em: 05/12/2022 12h06 - em Secretaria Municipal de Educação

EMEF cria escape room sobre mitologia grega para estimular o raciocínio lógico dos estudantes

EMEF cria escape room sobre mitologia grega para estimular o raciocínio lógico dos estudantes

Publicado em: 02/12/2022 1h47 - em Secretaria Municipal de Educação

foto ilustrativa de estágio

Prática de estágio em escola municipal é reconhecida pela Prefeitura de São Paulo

Publicado em: 02/12/2022 12h18 - em Diretoria Regional de Educação São Mateus

Educador Em Destaque

SME homenageia e premia professores da Rede Municipal no Educador em Destaque 2022

Publicado em: 01/12/2022 4h25 - em Secretaria Municipal de Educação

1 2 3 1.301